Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Avignon’

Em recente viagem à França, passei alguns dias na encantadora cidade de Avignon, localizada na região da Provence, ao sul do país. Beirada pelo rio Rhône (ou Ródano, em português) e rodeada por campos de lavanda e plantações de vinhas, Avignon esbanja charme e beleza. A pequena cidade murada é bastante conhecida por seus festivais de arte e cultura, mas o que a tornou realmente famosa foi um fato histórico muito curioso e que poucas pessoas conhecem. A cidade fora, outrora, sede da Igreja Católica.

Avignon-Provence-vinhos-enoturismo

Cidade de Avignon, França.

Conta a história que em 1309 o Papa Clemente V e sua corte, num momento de turbulência política, fugiram de Roma para a cidade de Avignon, onde a Igreja possuía terras doadas pelo rei dos francos em 756. De 1309 a 1377, sete Papas franceses investiram muito dinheiro, construindo e decorando o palácio papal, que se tornou uma das maiores e mais importantes construções góticas da Europa. Em 1377 o Papa Gregory XI retornou a Roma, mas seu falecimento dois anos depois levou as vertentes francesas e italianas da Igreja a um desentendimento que ficou conhecido como “o grande cisma” e que dividiu a Igreja em duas sedes – Roma e Avignon – sendo que uma não reconhecia a outra. Mesmo depois do “cisma” ser resolvido e um Papa imparcial se estabelecer em Roma (Martin V), Avignon continuou sob comando Papal e assim permaneceu até 1791, quando foi então anexada à França.

O período Papal em Avignon promoveu influências muito positivas à região, como o desenvolvimento da arte de da cultura e o cultivo de vinhas para produção dos vinhos dos Papas. Foi assim que uma pequena vila a 25 km de Avignon foi batizada de Châteauneuf-du-Pape e é hoje reconhecida mundialmente por seus vinhos.

Chateauneuf-du-Pape-vinhos-enoturismo

Durante minha visita, além de conhecer o Palais des Papes e a ponte Saint Bénezet, cartões postais de Avignon, e de me deliciar nos pequenos “bistrôs” de Avignon, me aventurei num passeio ciclístico até a vila de Châteauneuf-du-Pape. Foi uma daquelas experiências que não tem preço. Saímos eu, meu mapa e a bicicleta, sem pressa, num dia fresco com céu azul, sentindo a paisagem ilustrada por campos de papoulas, vinhas por toda a parte e ciprestes. A mesma paisagem um dia retratada por Van Gogh em suas pinturas.

Chegando a Châteauneuf-du-Pape, uma parada numa das diversas lojas de vinhos para conhecer alguns exemplares da região foi mandatória. Ali, degusta-se sem pagar, mas espera-se que o cliente, educadamente, leve uma garrafa. E eu, de bicileta, na difícil tarefa de não carregar muito peso, comprei minha primeira garrafa. Um Chateau Mont Redon Abeille-Fabre Châteauneuf-du-Pape 2009, ótimo exemplar da região.

vinhas-ciprestes-papoulas-chateauneuf

A AOC (Appéllation D’Origine Controlée) Châteauneuf-du-Pape, uma das primeiras a serem reguladas na França, permite o uso de 13 diferentes uvas na sua produção. As mais utilizadas, no entanto, são a Grenache, Syrah e Mourvèdre. É possível encontrar vinhos das mais variadas qualidades, mas seus melhores exemplares apresentam boa estrutura, são ricos e cheios de especiarias, podem ser duros quando jovens, mas evoluem excepcionalmente bem.

Segui em busca de uma vinícola para visitar e acabei me juntando a um grupo de turistas ingleses na Ogier, que produz o renomado Clos de L’Oratoire. Além de conhecer a cantina onde seus vinhos são produzidos e as caves onde amadurecem, pude conhecer os diferentes tipos de solo de suas parcelas, representados de forma didática na frente da sede da propriedade, mostrando que cada tipo de solo confere a seus vinhos diferentes características e que quando mesclados, compõem verdadeiras obras de arte.

Ogier-Chateauneuf-du-Pape-vinhos

Encerramos a visita com uma degustação de seus vinhos, podendo entender melhor a influência do terroir no resultado final:

Ogier Châteauneuf-du-Pape Reine Jeanne 2012

Ogier Châteauneuf-du-Pape Expression de Terroir Éclats Calcaires 2010

Ogier Châteauneuf-du-Pape Expression de Terroir Galets Roulés 2010

Clos de L´Oratoire des Papes, Châteauneuf-du-Pape 2012

Dos vinhos degustados, escolhi para levar o Terroir de Galets Roulés, de solo típico da região (pedras roliças).

Assim, com duas garrafas no bagageiro da bicicleta, segui de volta para Avignon, encerrando meu passeio. Após 54 km rodados, o corpo expressava cansaço, mas a alma espelhava um sentimento de felicidade extrema por ter vivido essa experiência. Afinal, é disso que a vida se faz.

Santé!

Cristina Almeida Prado.

 

Read Full Post »