Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Enoturismo’

PARTE 2: A Visita

Bodega Garzon

Na bodega Garzón, fui recepcionada pela Natália Castiglione, do Departamento de Marketing, e guiada pela Stella que me conduziu pelos amplos corredores subterrâneos onde acontece todo o processo de elaboração dos vinhos. Durante o passeio pude observar o interessante uso das enormes cubas de concreto ovaladas para a fermentação do vinho. Um sistema especial de refrigeração instalado nas paredes do concreto proporciona um resfriamento eficiente e controlado. Além disso, segundo Antonini, o concreto beneficia mais a microbiologia, o que é ideal para as leveduras naturais.

Garzon Uruguay

Recepção com Natália Castiglione

Outra linha de conduta curiosa é a utilização dos barris de carvalho sem tosta cuja finalidade é não interferir nas características naturais da fruta durante o desenvolvimento do vinho. Adotam também o uso de barris de carvalho francês maiores de 5000 litros, onde os vinhos evoluem. Todos esses cuidadosos detalhes, somados aos modernos equipamentos de vinificação importados, resultam nos belos vinhos cheios de personalidade da Garzón.

IMG_0256

Tanques de fermentação de concreto

Durante o percurso subterrâneo, foram degustados três vinhos:

1- Pinot Grigio 2018- Vinho de corpo leve, cheio de mineralidade e frutas brancas como pera, por exemplo.

2- Tannat de Corte 2018- Vinho que reúne a potência de sua uva principal, a Tannat, equilibrada com a Marselan, a Cabernet Franc e a Petit Verdot, resultando num paladar macio com ótima acidez. Bela combinação!

3- Tannat Reserva 2017- Vinho que representa a uva emblemática do Uruguai, fermenta em cubas de concreto de 15.000 litros, estagiando depois em barris de carvalho francês de 5000 litros por 6 a 12 meses. Em boca, apresenta frutos maduros, taninos ricos e aveludados e boa persistência.

De volta ao nível térreo da vinícola, dando sequência à visita, uma degustação harmonizada foi servida. Foram dois vinhos acompanhados de pães, torradas, patês e azeites Garzón:

1- Alvarinho Reserva 2018- Ícone dos vinhos brancos uruguaios, esse Alvarinho premiado exala aromas florais e de frutas brancas de caroço como pêssego; possui ótima acidez, notas minerais e boa persistência. Um vinho de grande frescor!

2- Marselan Reserva 2018- esse é um vinho elegante, com tanino os macios, muito fresco e frutado. Apresenta em seu conjunto notas minerais e mentoladas e um final longo.

É interessante observar aqui que os vinhos finos do Uruguai são denominados “Vinos de Calidad Preferente”, com a sigla VCP impressa obrigatoriamente em seus rótulos.

IMG_0276

Germán Bruzzone, enólogo da Bodega Garzón

Não poderia finalizar meu relato sem mencionar o restaurante gourmet instalado dentro da bodega e que tem como responsável o Chef argentino Francis Mallmann, o mestre do fogo e das brasas. Um local perfeito para encerrar nosso passeio.

Bodega Garzón

Ruta 9, km 175, Garzón, Maldonado, Uruguai.

Agendamento: reservas@experienciasgarzon.com

https://bodegagarzon.com/pt/turismo-experiencias-garzon/

Importadora no Brasil: World Wine

https://www.worldwine.com.br/bodega-garzon?gclid=EAIaIQobChMI3qqF5sfL5gIVk4KRCh0ORghbEAAYASAAEgIfffD_BwE

Maria Uzêda

Read Full Post »

PARTE 1: A História

Em minha recente viagem ao Uruguai, tive a oportunidade de visitar a bodega Garzón, um programa imperdível para quem é apaixonado por vinhos. Para chegar lá, saindo de Punta Del Leste, tive que enfrentar 60 km de estrada. Boa parte dela é de chão batido, mas a paisagem é um deleite.

garzon

Uma fascinante história envolve a criação dessa espetacular bodega. A Garzón foi fundada pelo bilionário argentino Alejandro Bulgheroni que, inicialmente, buscava realizar um sonho de família em possuir uma casa de campo no Uruguai. Assim, em 2006, elegeu o povoado de Garzón para se instalar e, como bom investidor, acabou abrindo uma empresa de alimentos, a Agroland, que até hoje centraliza os negócios da família na região. Dentre suas primeiras atividades agrícolas destacam-se os olivais que deram origem aos premiados azeites, reconhecidos internacionalmente como os melhores azeites elaborados fora da Europa.

Após a constatação do potencial do terreno para a viticultura, a partir de 2008 foram plantados os primeiros vinhedos. As ações vitivinícolas começaram então a se concretizar rapidamente. Bulgheroni logo formou uma seleta equipe de profissionais da área enológica que o auxiliaram a tocar seu empreendimento adiante. Desde então, Alejandro Bulgheroni conta com a assessoria do experiente florentino Alberto Antonini, com a atuação criteriosa do Enólogo uruguaio Germán Bruzzone e com a supervisão de Christian Wylie, “general manager” da vinícola.

Garzon

Em 2012, deu-se início à construção da sede da vinícola que foi inaugurada em março de 2016. O projeto milionário e arrojado, assinado pelo escritório de arquitetura “Bórmida & Yanzón” de Mendoza, levou a Garzón a ser eleita em 2018 pela renomada revista “Wine Enthusiast”, a melhor vinícola do Novo Mundo. O aproveitamento inteligente do material encontrado na região e a geografia natural do terreno entraram na composição da estrutura do prédio. Com ambientes de muito bom gosto e extremo requinte, a Garzón impressiona qualquer visitante. A natureza tão bem integrada à construção e vice-versa, dá a impressão de que Deus criou o mundo assim. Uma obra fantástica.

bodega-garzon-eleita-melhor-vinicula-do-novo-mundo

Com uma localização privilegiada, a 18 km do oceano, na Garzón tudo conspira para o saudável crescimento dos vinhedos. O solo granítico com camada superficial basáltica proporciona uma excepcional drenagem, e a proximidade do Atlântico garante a boa amplitude térmica. Em entrevista concedida pelo enólogo Germán Bruzzone, ele me afirmou que a qualidade do solo aliada à brisa do mar e à biodiversidade do local são condições fundamentais que possibilitam o sucesso do empreendimento.

A técnica incomum de plantio adotada por Antonini consiste na distribuição dos vinhedos em pequenos lotes que formam um verdadeiro mosaico, visando ao melhor aproveitamento de cada “terroir” de acordo com as características de cada variedade de uva. Ao todo são cultivados na propriedade 17 tipos de uva, sendo a Tannat e a Alvarinho as castas principais.

ExperienciasGarzón.jpg

No próximo capítulo, levaremos nossos leitores a um passeio pelo interior desse fabuloso projeto vinícola. Não percam!

Maria Uzêda.

Read Full Post »

Tradicionalmente os vinhos são classificados quanto à coloração em Tintos, Brancos e Rosés. Agora podemos também encontrar o vinho Laranja e o vinho Azul. Tudo vai depender do tipo de uva, do método usado e das antocianinas presentes no vinho. Só para lembrar, antocianinas são pigmentos existentes nas flores, frutas e folhas, e que são responsáveis pela coloração vermelho alaranjado, vermelho vivo, roxo ou azul.

No Sul do Brasil, na região da Serra Gaúcha, a vinícola Era dos Ventos vem produzindo um belo vinho laranja que foi inclusive citado no Guia Descorchados de 2018, recebendo 92 pontos na safra de 2011 e 94 pontos na safra de 2014. O enólogo e proprietário Luís Henrique Zanini, juntamente com seus dois sócios, Álvaro Escher e Pedro Hermeto, desenvolve um interessante projeto que resgata antigas cepas trazidas pelos imigrantes italianos no começo do século XX. Uma delas é a uva branca chamada Peverella que, comercialmente, foi deixada de lado, chegando quase à extinção na década de 70. E é com essa uva branca que tem sido elaborado o vinho laranja dessa vinícola.

O nome Peverella deriva do italiano “pevero” que significa pimenta. Curiosamente, quanto mais madura essa uva, mais pintadinhas ficam suas cascas, parecendo salpicadas de pimenta.

As uvas provenientes de velhos vinhedos localizados na zona de Caminhos de Pedra, na Serra Gaúcha, são trabalhadas pela vinícola com menos intervenção possível do homem, fermentadas com as cascas por um tempo de maceração mais prolongado (cerca de duas semanas), o que dá origem à coloração característica alaranjada. Por isso, a Peverella precisa de um tempo maior para amadurecer bem e ficar mais amarelada e menos verde ao ser colhida, a fim de transferir coloração para o mosto durante a maceração.

Quando degustado, o vinho “Peverella” mostra estrutura, notas de frutas cítricas, um toque de laranja confitada e taninos bem presentes. Sugere-se cinco anos de guarda.

Para harmonizar com o vinho laranja, aconselhamos um talharim na manteiga com creme leve finalizado com trufas, o cordeiro temperado da culinária árabe e a paella valenciana. Vale a pena experimentar!

O universo do vinho sempre foi cheio de nuances e tons, e com a valorização dos vinhos rosés, laranjas e azuis, o mundo fica mais colorido! Tim Tim!

Maria Uzêda

Read Full Post »

Localizada a 45 minutos de Vancouver, a “Chaberton Estate Winery” encontra-se numa pitoresca região ondulada no Sul de Langley, quase fronteira com o estado americano de Washington. Fundada no início dos anos 80, ela é uma das mais antigas e a maior vinícola em Fraser Valley, na Colúmbia Britânica.

Ao visitar a “Chaberton Winery”, você pode participar de um tour pelos vinhedos, degustar e adquirir seus vinhos na butique e ainda desfrutar de um almoço ou um jantar no bem conceituado “Bacchos Bistrô” que prestigia a cozinha francesa e de onde se tem a encantadora visão panorâmica de seus vinhedos.

Quando passei por lá, fui assessorada por Brian Ensor que me mostrou os vinhedos e, na butique, ele me serviu vários vinhos brancos e tintos. Acabei comprando o “Chaberton Reserve Maritage 2014” que eu trouxe na mala para beber em ocasião especial com a família. Na verdade eu sabia que trazia na mala, não uma garrafa de vinho, mas um momento de prazer. Afinal de contas, é isso que o vinho nos proporciona: unir pessoas, compartilhar alegria com a família e os amigos, ter uma experiência inesquecível e festejar a vida.

Envelhecido em barricas novas de carvalho francês e americano por 22 meses, esse blend de 50% Cabernet Sauvignon, 35% Merlot e 15% Cabernet Franc desenvolveu aromas terrosos e especiados. Em boca apresenta notas de cassis, ameixa preta e amoras em compota, com toque de pimenta negra e coco, e um delicioso final persistente. Harmonizou muito bem com rosbife e quiche de brócolis com gorgonzola.

Esse é um belo exemplar de vinho canadense da Colúmbia Britânica. Recomendo!

Maria Uzêda

Read Full Post »

Na semana passada participei de uma degustação promovida pela vinícola Norton em parceria com a Wine Brands. Foi uma agradável reunião com um grupo de amantes do vinho e a presença da diretora de exportações da Norton, Judith Bernal, que nos contou um pouco sobre a história dessa gigante e conhecida marca e nos apresentou alguns de seus principais rótulos.

BODEGAS-NORTON-VINOS-ARGENTINA

A história da Norton tem início em 1895 com um engenheiro britânico que estava na Argentina para a construção de uma estrada de ferro e se apaixonou por uma argentina. Ao longo dos anos, a vinícola passou por alguns proprietários, até que a família Swarowsky, austríaca, dona da famosa marca de cristais Swarowsky, adquiriu a propriedade.

A Norton tem hoje cinco vinhedos nos principais terroirs de Mendoza, localizados aos pés dos Andes. Judith conta que Mendoza é a principal região produtora de vinhos na Argentina, que com apenas 250mm de chuva por ano (considerada uma região quase desértica), muito sol e elevada amplitude térmica (oscilação de temperatura entre o dia e a noite), a tornam excelente para o cultivo de vinhas, permitindo aos produtores uma consistência bastante equilibrada para seus vinhos de safra para safra, o que não acontece em muitas regiões produtoras pelo mundo, como Bordeaux, por exemplo, que tem condições climáticas bastante instáveis.

Não somente o terroir aporta grande influência à qualidade de seus vinhos, mas a idade dos vinhedos, com uma média de 30 anos, sendo que o mais antigo tem 80, o que confere grande concentração de aromas e sabores e estrutura a seus vinhos.

BODEGAS-NORTON-VIÑEDOS-VINEYARDS-ARGENTINA

Com exportação para mais de 60 países, a Norton é hoje considerada a quinta vinícola argentina mais importante do mundo, atrás de marcas como Trapiche (Peñaflor), Catena, Trivento (Concha y Toro) e Zuccardi.

Judith conta que visitar a propriedade é uma experiência imperdível para enófilos de todos os perfis e idades. Sua estrutura turística abrange desde visitações com degustação, até a experiência de enólogo por um dia que permite ao visitante fazer seu próprio vinho, além de aulas de gastronomia local, participação na colheita, almoço ou jantar no restaurante La Vid, considerado um dos melhores da região, dentre outras atividades.

Os vinhos que degustamos nessa noite foram:

Norton Reserva Syrah 2014

Mendoza, Luján de Cuyo

12 meses de maturação em barris de carvalho francês

Rubi intenso com aromas de amoras negras maduras, figos secos, chocolate e especiarias. Em boca, elevada acidez, corpo médio e taninos firmes.

R$93,00

Norton Reserva Malbec 2014

Mendoza, Luján de Cuyo

12 meses de maturação em barris de carvalho francês

De coloração púrpura, apresenta aromas de ameixa, violeta, especiarias e tabaco. Em boca, acidez média, corpo médio, taninos macios, fácil e frutado.

R$93,00

Perdriel Series Malbec 2014

Mendoza, Luján de Cuyo

12 meses de maturação em barris de carvalho francês

De coloração rubi com reflexos púrpura, apresenta aromas de frutos negros maduros, violeta, especiarias e tabaco. Em boca, elevada acidez, bom corpo e taninos marcantes.

R$105,00

Perdriel Series Cabernet Sauvignon 2014

Mendoza, Luján de Cuyo

12 meses de maturação em barris de carvalho francês

De coloração rubi profundo, apresenta aromas de fruta vermelha madura, cassis e notas de baunilha e mentol. Em boca, corpo médio, boa acidez, taninos finos e marcantes.

R$105,00

NORTON-PRIVADO-SIGNATURE-WINEMAKING-ARGENTINANorton Privado 2014, Malbec, Merlot, Cabernet Sauvignon

Mendoza, Luján de Cuyo

16 meses de maturação em barris de carvalho francês

Feito ao estilo bordalês, este é o vinho assinatura da família e levou 97 pontos pela avaliação da revista Decanter. De coloração rubi intenso, apresenta aromas de frutas vermelhas e negras maduras, especiarias, tabaco e café. Em boca, encorpado, com taninos finos e marcantes, acidez equilibrada e ótima persistência.

R$204,00

Mais informações sobre a vinícola Norton e seu importador nos sites abaixo:

https://www.norton.com.ar/home/

https://www.winebrands.com.br/

Um brinde,

Cristina A. Prado.

Read Full Post »

Continuando meu relato sobre as vinícolas do Oregon, trago aqui mais duas sugestões imperdíveis:

“Trisaetum”:

trisaetum-oregon-enoturismoFundada em 2003 por Andrea e James Frey, essa vinícola é especializada na produção de Rieslings e Pinot Noirs. O nome Trisaetum deriva dos nomes dos dois filhos do casal: Tristen e Tatum. Esta é mais uma empresa familiar instalada no coração do vale de Willamette.

A Trisaetum utiliza uvas provenientes de seus vinhedos localizados em diferentes áreas viticulturais (AVAs): Yamhill-Carlton, Ribon Ridge e Dundee Hill. Em sua linha de produção estão os brancos “Trisaetum Riesling” e os tintos “Trisaetum Pinot Noir”, estes elaborados com uvas de diferentes vinhedos e envelhecidos em barris de carvalho em cave subterrânea por 12 a 20 meses antes de engarrafar. Há também os Pinot Noirs da “Trisaetum Artist Series”, uma coleção de edição limitada com rótulos especialmente desenhados a cada ano pelo próprio enólogo, proprietário e artista, James Frey.

James é artista plástico e imprime sua arte com paixão nos vinhos que produz, deixando sua marca pessoal. O visitante que chega na sala de degustação se surpreende ao ver que está dentro de uma Galeria de Arte. Isso mesmo, a sala de degustação fica dentro da bela galeria onde estão expostos os trabalhos de James. Devo dizer que a experiência aí é inusitada e encantadora!

A Trisaetum produz também uma caprichosa linha de espumantes feitos pelo método Champenoise.

trisaetum-oregon-enoturismo-galeria-de-arte

A sala de degustação é aberta ao público, mas se preferir, eles oferecem degustação privada, com harmonização de queijos e frios, que requer agendamento com 48 horas de antecedência e custa 60 dólares. Contatos podem ser feitos pelo e-mail alice.ingraham@trisaetum.com, ou pelo site www.trisaetum.com

“Rex Hill”:

Rex-Hill-Oregon-wines-vinhos-enoturismo

Essa vinícola entrou na minha lista de visitação por acaso. Folheando um jornal de circulação local, fiquei sabendo que a Rex Hill tinha sido premiada recentemente pela revista americana The Wine Advocate encabeçada pelo famoso crítico de vinhos Robert Parker. O prêmio reconhece a Rex Hill como uma das oito vinícolas extraordinárias da América.

A Rex Hill ficou conhecida pelos seus complexos e elegantes Pinot Noirs, no entanto, também produz sedutores brancos elaborados com Chardonnay, Riesling e Pinot Gris.

Fundada em 1982, foi adquirida em 2007 pela A to Z Wineworks que reduziu sua produção para focar somente em vinhos de alta qualidade, utilizando os princípios da biodinâmica em seus vinhedos.

Na agradável sala de degustação da Rex Hill, por 15 dólares você pode degustar 4 diferentes vinhos:

1- “Seven Soils Chardonnay 2015” – um vinho aromático, sedoso, com álcool bem integrado, resultante de passagem por barril de carvalho francês.

2- “Willamette Valley Pinot Noir 2014” – um blend de uvas de vários terroirs, é um vinho com boa fruta e taninos delicados.

3- “Shea Vineyard Pinot Noir 2014” – com 92 pontos da Wine Advocate, esse vinho apresenta mais corpo que o anterior, bem equilibrado, boa adstringência e final longo.

4- “Francis Tannahill Sundown 2013” – um inusitado blend de Grenache e Syrah provenientes do sul do Oregon; de coloração rubi intenso, com notas minerais e taninos robustos.

Rex-Hill-Oregon-wines-vinhos-enoturismo-maria2

Ao final da degustação, o simpático gerente Jonathan Lampe me serviu mais um rótulo: “Rex Hill Jacob-Heart Estate Vineyard Pinot Noir 2014”. Vinho de coloração rubi intenso, muito rico, cheio de frutos maduros, com bom corpo, notas tostadas, um toque terroso, bem estruturado e balanceado. Belo vinho!

Para saber mais acesse: www.rexhill.com

Finalizamos assim mais um relato de viagem em que demos uma pincelada sobre o encantador quadro vitivinícola do vale de Willamette, compartilhando com os amigos leitores experiências e dicas do mundo do vinho.

Maria Uzêda.

Read Full Post »

Cruzando o estado do Oregon, pude visitar algumas vinícolas na região de Willamette que me impressionaram muito.

Domaine-Serene-Enoturismo-OregonA primeira delas foi a Domaine Serene. Instalada numa magnífica propriedade, essa linda vinícola abriga um clube, onde ocorrem eventos como casamentos, confrarias ou festas de empresas; a cantina, com moderno sistema de vinificação por gravidade; e uma sala de degustação ampla, cheia de mesas e um generoso balcão.

Os proprietários, o casal Ken e Grace Evenstad, são tão apaixonados pelos vinhos da Borgonha que, além da vinícola Domaine Serene, adquiriram um Château na região da Côte D’Or, e estão produzindo um Premier Cru com a assessoria de vinhateiros franceses. E o resultado é incrível: um Chardonnay Grand Cru do Oregon e um Chardonnay Premier Cru da Borgonha com muita semelhança entre eles, apenas um leve amargor no primeiro, mas ambos fabulosos!

A vinícola Domaine Serene tem também obtido um reconhecimento global com seus icônicos Pinot Noir. O “Evenstad Reserve Pinot Noir”, com 16 meses de envelhecimento em carvalho francês, é a bandeira da vinícola e define o padrão pelo qual são elaborados seus Pinots. Os aromas de cerejas negras, groselha e cravo preenchem a taça. Em boca mostra notas de frutos negros em compota, com taninos aveludados e final persistente. Maravilhoso!

Beaux-Freres-Oregon-Enoturismo“Beaux Frères” foi a segunda vinícola que visitei. Situada fora da estrada principal, essa vinícola é o que se poderia chamar de despretensiosa e rústica, caso não conhecêssemos sua brilhante reputação de vinhos de altíssima qualidade.

Em parceria com o famoso crítico de vinho Robert Parker, cunhado casado com sua irmã mais velha Patricia, o trabalho de Michael Etzel ganhou notoriedade em pouco tempo. No entanto, independente da conexão com Parker, devemos admitir que foi a qualidade dos seus vinhos que colocou Beaux Frères na vanguarda e no topo da lista de qualquer conhecedor de vinho, sendo considerada uma das melhores do Oregon. À propósito, o nome Beaux Frères, é uma alusão aos dois amigos, Parker e Etzel.

A sala de degustação era bastante modesta, bem diferente do elaborado estilo francês ou de moderna arquitetura contemporânea que a gente costuma ver nas vinícolas da Califórnia ou mesmo do Oregon. Fui recebida por Jillian Bradshaw com quem agendei minha visita por e-mail. Quatro rótulos foram apresentados: um Chardonnay inspirado nos brancos da Borgonha, e três tintos, todos Pinot Noir, de vinhedos diferentes, de solos e altitudes variadas. Destaco aqui o “Beaux Frères, The Beaux Frères Vineyard 2015” e o “Beaux Frères, The Upper Terrace 2015”. O primeiro, uma joia rubi em taça, com vibrantes camadas de frutas vermelhas, especiarias e terra molhada que se transformam em sedosa textura na boca; intrigante e refinado mesmo em sua juventude, esse vinho promete muita complexidade e longa guarda. O segundo, com aromas de geleia de frutos vermelhos e expansiva complexidade que, momentos depois, torna-se exuberante; apresenta taninos ricos e aveludados e final longo; uma fascinante aventura engarrafada!

Como podem ver, cada vinícola tem suas características próprias e suas peculiares histórias, mas um ponto comum as identifica: a persistente paixão pelo estilo “Borgonhês”.

Não percam, no próximo post, mais relatos sobre as incríveis vinícolas do Oregon.

Para saber mais ou agendar visita, acesse:

www.domaineserene.com

www.beauxfreres.com

Maria Uzêda.

Read Full Post »

Older Posts »