Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Vinhos de Portugal’

Às vésperas da semana dos namorados, São Paulo é brindada com uma maratona de eventos de vinhos, permitindo a profissionais e enófilos de plantão conhecer uma diversidade de novos rótulos e abastecer a adega de bons vinhos.

DEGUSTAÇÃO DE VINHOS

EXPOVINIS BRASIL

De 06 a 08 de junho acontece a Expovinis Brasil, maior feira de vinhos da América Latina, no pavilhão branco do Expo Center Norte em São Paulo.

Entre as empresas participantes estão vinícolas do Brasil reunidas pelo Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin) – Casa Venturini, Peterlongo, Rasip/RAR, Don Guerino, Vinícola Batalha, Vinícola Aracuri, Capoani, Zanella, Don Candido, Cavalleri, Sanjo, Lucano, Campos de Cima, Marco Luigi e Dom Pedrito – além de Pericó e Laurentia, que participam com espaços próprios.

Também já confirmaram presença produtores de Portugal (AEP), Chile (Wines of Chile), Itália (Câmara do Comércio Ítalo-Basileira), Eslovênia, Reino Unido, Argentina e Espanha, e as importadoras Premium, Casa Flora, Adega Alentejana, Bodegas Selecionadores de Vinhos, Vino Italia, Vinissimo e Galeria dos Vinhos.

Além da área de exposição, a ExpoVinis contará com um wine lounge onde serão ministrados conteúdos relevantes e de interesse do público visitante que poderá participar gratuitamente. O evento contará também com o Wine Bar ExpoVinis, espaço onde o público poderá adquirir vinhos em taças para degustações mais completas.

Para participar da feira é necessário adquirir convite que, para profissionais, deve ser feito antecipadamente, e para consumidores, na entrada do evento.

Os valores são:

– Profissionais do setor: R$ 30,00;

– Consumidor final: R$ 150,00.

Todos os visitantes pagantes terão direito a uma taça para degustação e 10% de desconto nas compras realizadas na Loja ExpoVinis.

Mais informações: www.expovinis.com.br

GRAND TASTING

Outro evento imperdível é o Grand Tasting, maior feira de vinhos realizada pela Grand Cru, que além de oferecer degustações de inúmeros rótulos trazidos pela importadora, promove palestras e degustações guiadas.

Dentre as vinícolas confirmadas: Cave Geisse, Errazuriz, Leyda, Grandes Viños de San Pedro*, Koyle, Zorzal, Escorihuela Gascón, Pulenta Estate, Cobos, Bottega, Brancaia, Fanti, San Marzano, Mazzei, Talenti, Vila Medoro, Ixsir, Morande Adventure, Barone Montalto, Soprassasso, Ricossa, Matetic, Heras Cordon, Bodegas Pablo e Saint Clair.

Além de poder conhecer cada uma dessas vinícolas e seus vinhos, o evento contará ainda com 15 estações temáticas, divididas nas seguintes categorias:

Champagne Billecart Salmon, espumantes, brancos leves, brancos estruturados, rosés pelo mundo, novidades do novo mundo, novidades do velho mundo, Pinot Noir pelo mundo, península Ibérica (com destaque para o Alentejo, Ribatejo, Toro, Alicante e Priorat), terroirs da França (com destaque para os vinhos do Languedoc, Loire e Bordeaux), super pontuados, vinhos de autor, Douro x Duero, vinhos do Porto e vinhos de sobremesa.

No dia do evento, as garrafas serão vendidas com 10% de desconto.

-SP | 06/06 – 15:00 às 21:00 (exclusivo para clientes on/off trade)

Local: Casa da Fazenda do Morumbi

Endereço: Av. Morumbi, 5594 – Morumbi, São Paulo – SP

-SP | 07/06 – 19:00 às 22:00 (consumidor final)

Local: Casa da Fazenda do Morumbi

Endereço: Av. Morumbi, 5594 – Morumbi, São Paulo – SP

Investimento: R$ 280, sendo 50% revertido para a compra de vinhos nas compras acima de R$1.000.

Mais informações: www.grandcru.com.br

SÃO PAULO WINE WEEK

Entre os dias 5 e 11 de junho acontece a 1ª São Paulo Wine Week, uma semana dedicada ao vinho em alguns dos mais renomados restaurantes da capital paulista.

O objetivo é fomentar o conhecimento e o consumo de tintos, brancos, rosés e espumantes através da experiência com vinhos do Brasil, Chile, Argentina, Uruguai, África do Sul, França, Itália e Portugal.

Os restaurantes participantes vão oferecer três taças de vinhos a um preço único e menor do que aquele praticado fora da SPWW. A ideia é que as casas montem um flight de vinhos de diferentes estilos, começando com um perfil aperitivo, mais leve e aumentando em intensidade e complexidade.

A faixa de preços para cada “trio” de vinhos vai variar entre R$ 45,00 e R$ 60,00. A ação será focada nos jantares de segunda a sexta-feira (5 a 9 de junho) e almoços e jantares no sábado e domingo (10 e 11 de junho).

A lista completa dos restaurantes participantes da SPWW pode ser conferida em: www.spww.com.br.

 PORTO E DOURO WINE TASTING

A quarta edição do evento chega à cidade de São Paulo com mais de 400 rótulos para degustação e 64 produtores portugueses. O evento acontece de 9 a 11 de junho no Shopping JK em São Paulo e, além de promover as degustações, permitirá ao consumidor participar de workshops com harmonizações e palestras temáticas ministradas por grandes profissionais do meio, como Dirceu Vianna Júnior, Jorge Lucky e Luís Lopes.

As atividades principais têm inscrições pagas e acontecerão em dois espaços: no Mercado de Vinhos e nas Salas de Provas, Cursos e Harmonizações. Na Área de Convivência, com entrada franca, e cercada por um ambiente charmoso e descontraído, o visitante terá a oportunidade de comprar os vinhos que provou no evento.

Mais informações: https://oglobo.globo.com/projetos/vinhosdeportugal/sp.html#agenda

cantina vinícola Geisse Chardonnay

Aproveite esta oportunidade única para degustar, aprender mais sobre vinhos, fazer boas compras, reunir amigos enófilos e brindar à vida.

Cristina Almeida Prado.

Read Full Post »

A semana passada foi marcada por um charmoso evento promovido pela Qualimpor, que além dos respeitáveis vinhos e azeites por ela importados, ofereceu também comidinhas e drinks. Foi uma ótima oportunidade para os enófilos e profissionais do ramo conferirem a qualidade de seus produtos.

Qualimpor-degustação-casa-itaim

Quatro vinícolas portuguesas e uma espanhola estiveram presentes, abrilhantando o evento com excelentes vinhos e azeites: Herdade do Esporão, Quinta dos Murças, Quinta do Crasto, Freixenet e Taylor’s.

Dentre os vinhos degustados, tiveram destaque:

1- “Quinta dos Murças Reserva DOC 2009”, um tinto elaborado a partir de cinco castas colhidas de vinhas velhas de 40 anos, bem equilibrado, frutado, bom corpo, notas tostadas e final fresco e persistente. O enólogo responsável, David Baverstock, esteve presente.

2- “Herdade do Esporão Alicante Bouschet” (AB), um varietal tinto surpreendente, com ótimo corpo, muita fruta, um toque mineral, um fundo de pimenta e final longo e persistente.

3- “Xisto Roquette & Cazes Douro” e “Roquette & Cazes” chamaram a atenção por seus marcantes sabores de fruto negros, o toque de especiarias, os taninos sedosos e presentes, com final longo e persistente. Eles fazem parte de um projeto de criação de grandes vinhos, resultante da união de duas famílias, os Roquettes da Quinta do Crasto e os Cazes do Château Linch-Bages, que se lançaram numa aventura vitivinícola para produzir vinhos com as castas do Douro que tivessem “o poder e o Sol de Portugal conjugados com a elegância de Bordeaux”. Assim nasceram esses belos exemplares da Quinta do Crasto.

Roquette-&-Cazes-vinho-de-portugal

4- “Crasto Superior 2013”, é produzido a partir da Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinta Roriz, Souzão e uma porcentagem de vinhas velhas, composição que, segundo Tomás Roquette (presente no evento e membro da família proprietária da Quinta), resulta num “vinho de caráter muito especial”, apresentando notas de frutos silvestres, um toque de cravo, boa estrutura, taninos macios e final persistente.

5- A “Cava Freixenet Elyssia Pinot Noir” e a “Elyssia Grand Cuvée”, a “Cava Freixenet Reserva Real” e a “Vintage Brut” se destacaram em meio a uma nobre seleção de dez Cavas apresentadas pela vinícola Freixenet no evento. Situada em Sant Sadurní d’Anoia, na região espanhola de Penedés, a Freixenet é respeitada mundialmente por elaborar suas cavas através do método tradicional.

6- O “Vintage Port” e o “Porto 40 anos” brilharam no stand da Taylor’s com suas texturas ricas, estruturas sólidas e intensas, e um longo final… verdadeiras essências dos Deuses.

Taylors-vintage-port-wine

Visitar a CASA ITAIM nesse dia especial de evento a convite da Qualimpor foi uma agradável e deliciosa maneira de encerrar aquele dia frio e chuvoso de São Paulo.

Saúde a todos!

Maria Uzêda

Read Full Post »

maria-uzeda-vinhos-alentejo

Maria Uzêda

Um evento organizado pela empresa “Essência do Vinho”, com apoio e divulgação da “CH2A Comunicação”, trouxe a São Paulo, nesta semana, a mostra de “Vinhos do Alentejo”, sediada pelo Hotel Intercontinental SP. Estiveram presentes mais de quinze dos principais produtores da região. Quem compareceu ao encontro teve o privilégio e uma ótima oportunidade de constatar a alta qualidade de vinhos que viticultores alentejanos vêm produzindo.

A região do Alentejo, a maior província de Portugal, está localizada a sudeste do país, limitada ao norte pelo rio Tejo e ao sul pelo Algarve. Na paisagem de ondulantes planícies, com a Serra de São Mamede no nordeste alentejano, vislumbramos cidades medievais, castelos do período manuelino entremeando as vastas plantações de cereais, de sobreiros, olivais e longos trechos de vinhas.

A Denominação de Origem “Alentejo DOC”, regulamentada em 1988, estipula oito sub-regiões que obedecem a rígidas regras tais como: delimitação de área de produção, as castas permitidas e em qual porcentagem, entre outros fatores. As sub-regiões do Alentejo são: Portalegre, Borba, Redondo, Évora, Reguengos, Granja-Amarela, Moura e Vidigueira. Fora dessas denominações de origem, o Alentejo apresenta ainda uma elevada produção e variedade de vinhos regionais, classificados como “Vinho Regional Alentejano”. O controle e responsabilidade de certificação DOC ou IG (Indicação Geográfica) cabe à Comissão Vitivinícola Regional Alentejana (CVRA).

Alentejo_sobreiro-cortiça

Sobreiro

Portugal possui uma profusão de uvas autóctones que, cada vez mais, vêm sendo valorizadas na elaboração do vinho português, além das universais Cabernet Sauvignon, Syrah, Chardonnay, entre outras. As principais castas tintas encontradas na região do Alentejo são: Aragonês (ou Tinta Roriz, mas mundialmente conhecida como Tempranillo), Trincadeira, Castelão (também chamada Periquita), Alicante Bouschet, Alfrocheiro, Touriga Nacional, Cabernet Sauvignon e Syrah. As principais castas brancas são: Antão Vaz, Arinto, Fernão Pires, Roupeiro (Síria), Rabo de Ovelha e Verdelho.

A seguir, apresentamos alguns destaques da mostra:

Produtor: Herdade do Esporão

Esporao-Tinto-2011-alentejoImportador: Qualimpor – www.qualimpor.com.br

Vinho 1: “Esporão Reserva Tinto”

Castas: Aragonês, Tricadeira, Cabernet Sauvignon e Alicante Bouschet

Vinho de cor granada intensa; aromas de frutos vermelhos, especiarias e notas de madeira; em boca é encorpado denso e cremoso, com taninos maduros e elegantes, longa persistência.

Preço: R$ 125,00

Vinho 2: “Quatro Castas Tinto” 2012

Castas: Touriga Franca, Tinta Miúda, Cabernet Sauvignon e Alicante Bouschet.

Vinho de cor violeta, com aromas de frutos silvestres, especiarias e notas de chocolate; em boca é aveludado, com bom corpo, cheio de frutos maduros, com taninos finos e final longo.

Preço: R$ 113,00

Vinho 3: “Esporão Reserva Branco”

Castas: Antão Vaz, Arinto, Roupeiro e Semillon.

Vinho de coloração amarelo palha com reflexos esverdeados; aroma frutado de pêssego e tangerina, com notas amanteigadas; em boca é untuoso, redondo, delicado, equilibrado, com final longo e fresco.

Produtor: Herdade do Mouchão

Importador: Adega Alentejana – http://www.adegaalentejana.com.br

“Mouchão Licoroso Tinto” 2008

Teor alcoólico: 19%

Casta: 100% Alicante Bouschet

Vinho de cor granada intenso e concentrado; aromas generosos de ameixas pretas, compotas e especiarias; em boca é elegante, macio, redondo, com final longo e persistente.
Preço: R$ 124,00

Produtor: Paulo Laureano Vinus

Importador: Adega Alentejana – www.adegaalentejana.com.br

Vinho 1: “Paulo Laureano Reserve” 2013

Casta: 100% Antão Vaz

Vinho de cor citrina, com aromas de frutas tropicais e notas de especiarias; em boca é bem estruturado, equilibrado, untuoso, com final de boca longo e fresco. Um vinho de forte personalidade!

Preço: R$ 87,00

Vinho 2: “Paulo Laureano Selection Tinta Grossa Tinto” 2010

Casta: 100% Tinta Grossa

Vinho de coloração granada intenso; aromas de compota de frutos negros, alcaçuz, especiarias e tosta da barrica; em boca, macio e gordo, equilibrado e elegante, boa acidez, taninos musculosos, porém redondos, com final bem prolongado. Belo vinho!

Preço: R$ 224,00

Produtor: Ervideira

conde-dervideira-vinhos-alentejoImportador: Caves Santa Cruz – http://www.cavessantacruz.com.br

Vinho 1: “Conde d’Ervideira Private Selection Tinto” 2011

Castas: Aragonês, Trincadeira e Alicante Bouschet

Apresenta-se com rótulo que é uma réplica do rótulo de 1890. Recebeu prêmio de Top 5 entre os melhores vinhos tintos do velho mundo na Expovinis. Esse é um vinho de estrutura marcante, bastante complexidade, taninos robusto e elevada persistência. Um vinho longevo.

Preço: R$ 233,00

Vinho 2: “Vinha d’Ervideira Tinto Edição Especial” 2012

Castas: Touriga Nacional, Tinta Caiada, Alfroucheiro e Alicante Bouschet (4 castas, 4 gerações, homenageia a Família cujo brasão aparece no rótulo).

Vinho com boa intensidade aromática; em boca, notas de menta, cacau e groselha, taninos potentes e final com boa persistência.

Preço: R$ 75,00

Vinho 3: “Invisível” 2013

Sempre lançado em primeiro de abril (dia da mentira), esse vinho branco é elaborado, curiosamente, com 100% de uva Aragonês (tinta) de vindima noturna. Vinho de muita personalidade, com intensa aromaticidade (hortelã, lima, salva); em boca, estrutura elegante, boa acidez e final fresco e longo.

Preço: R$ 96,00

Produtor: Quinta do Zambujeiro

Importador: Casa Flora – http://www.casaflora.com.br

“Terra do Zambujeiro” 2008

Teor alcoólico: 15%

Castas: Touriga Nacional, Aragonês, Trincadeira e Alicante Bouschet.

Vinho de coloração púrpura, com aromas intensos de frutos vermelhos; em boca, é encorpado, elegante, com toque de especiarias, boa acidez, taninos bem estruturados e final longo.

Preço: R$ 240,00

O Alentejo, em termos vitivinícolas, cada vez mais, vem conquistando o mundo graças à manutenção de suas tradições, aliada à modernização das cantinas e à adoção de novas tecnologias, com a permanente valorização de suas cepas nativas. Sorte nossa, pois de lá saem vinhos tão genuínos e distintos em estilo que jamais cansam o consumidor.

Maria Uzêda.

 

Read Full Post »

Fundada em 1963, a Fundação Eugênio de Almeida (“F.E.A.”) é uma instituição auto-sustentável sem fins lucrativos. Ela administra projetos que visam ao desenvolvimento social, cultural e técnico da região de Évora. Em suas propriedades, explora as culturas arvenses, a pecuária, silvicultura e a viticultura. A produção vinícola é realizada na Adega Cartuxa e financia todos os outros projetos.

 adega cartuxaHoje em dia, o antigo posto jesuíta, onde já em 1776 funcionava um importante lagar de vinho, recebe visitantes enófilos do mundo inteiro para as degustações que devem ser agendadas com antecedência e variam da mais simples à mais refinada.

 Conduzidos pela guia credenciada pela F.E.A., Ana Santos, a visita inclui dois vídeos exibidos em diferentes momentos, um passeio pelas salas e corredores um dia habitados pelos monges cartuxos, uma experimentação aromática e, por fim, a degustação em si. Enquanto vamos atravessando corredores ladeados por grandes tonéis de carvalho (ainda usados pela empresa) e salas que guardam antigas instalações vinícolas como as ânforas argelinas e as imensas cubas de concreto revestidas de resina (testemunho de um passado recente), ouvimos as explanações da Ana, tendo de fundo o som celestial do canto gregoriano.

 degustacao olfativaA originalidade da visita surge no momento por eles denominado de “experiência aromática”, que eu chamaria de “degustação olfativa”. Fizemos aí uma parada diante de um painel contendo fotos das principais uvas por eles cultivadas e seus respectivos aromas apresentados em essências elaboradas pela própria empresa. Foi uma prazerosa brincadeira em que íamos descobrindo toda a complexidade aromática de uvas como a Trincadeira, a Aragonez, a Castelão, Antão Vaz e a Alicante Bouchet.

 O Pêra-Manca tinto é o vinho mais caro produzido pela F.E.A. na Adega Cartuxa. É feito somente nos anos de boa safra, atendendo a um elevado grau de exigência na qualificação das colheitas que precisam ser de qualidade exepcional. O primeiro Pêra-Manca tinto da F.E.A. foi produzido em 1990. De lá para cá, em 21 anos, foram produzidos apenas 10 safras do Pêra-Manca. Por aí se entende por que é bem difícil ser encontrado e por que seu preço é diferenciado na categoria. O Pêra-Manca branco é também muito bom, porém, não goza do mesmo prestígio.

 A F.E.A. produz ainda, os vinhos da linha “Cartuxa”, o Scala Caeli (de produção muito pequena, feito todos os anos com as melhores castas da safra que não sejam típicas do Alentejo) e o E.A., muito popular aqui no Brasil. Todos, vinhos de qualidade respeitável.

 Ao final da visita, a degustação dos vinhos (Pêra-Manca tinto e branco) simpaticamente acompanhada de pãozinho, fatias de queijo de cabra, fatias de “enchido” (embutidos), água e provas de seus três azeites (o “Álamos”, o “Cartuxa” e o “E.A.”).

 Avaliação dos vinhos:

vinho português pera manca 1. Pêra-Manca branco, safra 2009

Castas: Antão Vaz e Arinto

Teor alcoólico: 13,5% vol.

Região: Évora-Alentejo

De coloração amerelo-ouro claro, límpido e brilhante, o vinho liberava intensos aromas de frutas exóticas e mel; em boca, seco, um toque amanteigado e notas de amêndoas, revelando bom corpo, acidez extremamente agradável e final persistente.

 2. Pêra-Manca tinto, safra 2007

Castas: Tricadeira e Aragonez

Teor alcoólico: 14%

Região : Évora-Alentejo

Com intensa coloração rubi escuro, aroma de frutos negros maduros, toque de madeira, em boca, seco, os frutos maduros, notas de especiarias, bom corpo, estrutura balanceada, revelando taninos delicados e final de longa persistência.

 Não poderíamos deixar de tecer aqui um breve comentário sobre os azeites apresentados:

1.  “Álamos” – elaborado com dois tipos de oliva, é utilizado de várias maneiras: cozinhar, assar, temperar; bem versátil e saboroso.

2. “E.A.” – utilizado em pratos mais pesados, como carnes vermelhas, é um azeite forte e picante.

3. “Cartuxa” – elaborado com um único tipo de oliva, é delicado e suave; ultizado para saladas, peixes cozidos e massas frias.

 O nome Pêra-Manca é uma curiosidade à parte. Conta-se que deriva do toponímico “pedra-manca”ou “pedra oscilante”- uma formação granítica de blocos arrendondados em desequilíbrio sobre rocha firme.

 Visitar a Adega Cartuxa foi uma experiência inesquecível que nos permitiu compartilhar da generosidade alentejana e da história de um grande vinho.

 Maria Uzêda

Read Full Post »

vinhos-do-tejo Com mais de 200 mil garrafas de vinhos exportadas ao Brasil anualmente, produtores da região portuguesa do Tejo, antes conhecida como Ribatejo, vêm a São Paulo para apresentar seus rótulos em um evento exclusivo realizado pela Comissão Vitivinícola Regional do Tejo no dia 17 de novembro.

Produtores e representantes de nove vinícolas conduzem a degustação a partir das 16 horas, no Hotel Tivoli Mofarrej. São elas: Casal da Coelheira, Fiuza & Bright, Pinhal da Torre, Vale d’Algares, S.A. João Barbosa, Quinta de Vale de Fornos, Casal Branco, Casa Cadaval e Quinta do Casal Monteiro.

A visita dos produtores do Tejo comprova o aumento do consumo de seus vinhos em nosso mercado, impulsionado pela mudança de imagem que veio reforçar e uniformizar a identidade da marca com a alteração da Indicação Geográfica dos vinhos da região, em 2009, de Ribatejo para Tejo. A transformação foi complementada com a alteração da denominação de origem dos vinhos, consolidada em março deste ano, que passou de DOC Ribatejo para DOC Do Tejo. O nome, inclusive, está associado ao Rio Tejo, que com seus 1.009 quilômetros de extensão é um símbolo da região.

As expectativas da CVRTejo são positivas em relação ao Brasil: o objetivo a médio prazo é duplicar o volume de exportações. “Fora do perímetro da União Europeia, nosso maior consumidor, países como Brasil, Angola, China, Canadá, Suíça e Estados Unidos surgem como os principais importadores, já tendo adquirido cerca de 562 mil litros de vinho da região”, explica José Gaspar, Presidente da CVRTejo.

No Tejo são cultivados, atualmente, cerca de 20 mil hectares de vinhas. As castas brancas como as tradicionais Fernão Pires e Arinto representam 60% da produção e as castas tintas, como Castelão e Trincadeira, 40%. A produção total anual atinge 600 mil hls. e são certificados em torno de 85 mil hls, dos quais 80% são vinhos regionais e 20% são de Denominação de Origem Controlada.

A região do Tejo

portugal-mapa-produção-vinícola A região produtora dos vinhos do Tejo é, em termos de terroir, composta por condições distintas, podendo ser dividia em três zonas. O Campo, situado às margens do Tejo com solos de aluvião e quase planos, é propício essencialmente a produções mais elevadas e a vinhos mais suaves; o Bairro, situado na margem direita do rio, com solos argilo-calcários ondulados por colinas suaves, é propício à produção de vinhos mais encorpados; e a Charneca, situada na margem esquerda do Tejo, com terrenos de textura mais franca e arenosa, originando, assim, vinhos de teor alcoólico mais elevado, mas suaves.

CVRT – Comissão Vitivinícola Regional do Tejo

Com o objetivo de valorizar o patrimônio vitivinícola da região, foi criada, em setembro de 1997, a Comissão Vitivinícola Regional do Ribatejo, com atividades que consistiam na promoção e divulgação da marca Ribatejo, além de garantir a certificação de qualidade dos vinhos do local.

A Denominação de Origem Controlada Ribatejo estava, assim, em condições de ser criada. Desta forma, os Vinhos de Qualidade Produzidos nas Regiões Determinadas de Almeirim, Cartaxo, Chamusca, Coruche, Santarém e Tomar passaram a ter acesso à DOC Ribatejo em seus rótulos. Em 2006, com a definição de requisitos de ordem técnica e organizacional para as entidades certificadoras, a CVRR se alinhou aos novos requisitos legais e constituiu uma nova entidade. Em 2008 ela foi extinta e deu lugar à Comissão Vitivinícola Regional do Tejo, que, na prática não difere da CVRR, mas representa a sua evolução.

Mais informações sobre a degustação em São Paulo com a Exponor Brasil no telefone (11) 3141.9444 ou pelos e-mails e.barbosa@cvrtejo.pt e sandra.almeida@exponor.com.br.

Degustação Vinhos do Tejo

Tivoli Mofarrej [Al. Santos, 1.437 – Cerqueira Cesar – São Paulo/SP]

Dia 17 de novembro das 16 às 21 horas

Read Full Post »