Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Uncategorized’ Category

Como acontece todo ano, a Expovinis marcou esta semana com a sua vigésima primeira edição. Realizada entre os dias 6 e 8 de junho, no Expo Center Norte em SP, a principal feira de vinhos da América Latina reuniu mais de 22 vinícolas nacionais, produtores de Portugal, Chile, Argentina, Itália, Espanha, Eslovênia, Reino Unido, além de grandes importadoras como, por exemplo, a Casa Flora, a Premium, a Viníssimo e a Galeria dos Vinhos.

A Expovinis Brasil 2017 veio desta vez com nova formatação na sua programação, apresentando várias atividades que a tornaram mais dinâmica e funcional. O visitante teve assim a oportunidade de assistir a palestras e degustações gratuitas nas salas do “Terroir do Conhecimento”, relaxar no “Wine Bar”, espaço onde alguns rótulos da feira podiam ser adquiridos em taça para uma apreciação mais completa, e comprar na “Loja da Expovinis”, ao sair do evento, vinhos degustados na feira.

Um dos momentos mais aguardados é sempre a revelação dos TOP TEN da Expovinis, cujo resultado foi anunciado no segundo dia do evento. Com um jurado de profissionais renomados, liderados por Jorge Lucki, membro da Académie Internationale du Vin, foram selecionados em dez categorias os seguintes vinhos:

1- Vinho Espumante Nacional: “Peterlongo Elegance” da Vinícola Peterlongo. É interessante lembrar que, atualmente, os grandes investimentos em infra-estrutura, a parceria com o famoso winemaker francês Pascal Marty, a revitalização da linha de produção e as inovações em turismo, têm alavancado a Peterlongo, colocando-a num patamar de destaque no cenário brasileiro.

IMG_6213

2- Vinho Espumante Importado: “Gramona Cuvée Gran Reserva Brut 2012”, importado pela Casa Flora.

3- Vinho Branco Brasileiro: “Sinais” Sauvignon Blanc 2017, da Vinícola Don Guerino, Serra Gaúcha, RS. Vinho de coloração amarelo esverdeado, com notas tropicais de maracujá, goiaba e aspargos, com ótima acidez, muito refrescante e de longa persistência. Deve-se também registrar aqui, que essa vinícola lançou na Expovinis o primeiro Torrontés brasileiro. Essa cepa branca é emblemática na Argentina e origina vinhos aromáticos e expressivos.

IMG_6224
4- Vinho Branco Importado: “Clearview” Reserve Chardonnay 2014 (Nova Zelândia), apresentado pela importadora Premium. Belo vinho de coloração amarelo dourado, untuoso, encorpado, com notas amanteigadas e longa persistência.

5- Vinho Rosado: “Chiaretto” 2015 D.O.P., um blend de Gropello, Marzemino, Sangiovese e Barbera. Com baixo residual de açúcar (4g/l), é um vinho italiano fresco, ácido, extremamente gastronômico. Apresentado por Galeria dos Vinhos.

6- Vinho Tinto Nacional: “Speciale” Syrah, da Vinícola Casa Verrone, Serra da Mantiquera, SP. Vinho de coloração rubi violáceo, aromas de compota de frutas negras, coco, menta, notas de especiarias e caramelo. Bom corpo, taninos finos e média persistência.

7- Vinho Tinto Novo Mundo: “KM 0”, um blend de 51% Cabernet Sauvignon, 39% Carmenère e 10% Syrah, Apalta, Chile. Seu produtor, Jaime Roselló Larrain, é bodeguero integrante do MOVI. Rótulo apresentado por Carvalho Vinhos.

IMG_6244
8- Vinho Tinto Velho Mundo I (Penínsusula Ibérica): “Pomar do Espírito Santo” Reserva 2013, Vinho Regional de Lisboa, Portugal. Belo exemplo de vinho português com sangue brasileiro, uma vez que o proprietário e produtor, André Manz, é brasileiro.

IMG_6217
9- Vinho Velho Mundo II (França, Itália e Espanha): “Château Fleur Cardinale” Grand Cru Classé 2009, Saint-Émilion, França.

10- Vinho Fortificado e Doce: “Messias” Porto Tawny 10 anos, importado pela Casa Flora.

Paralelamente a essa premiação, a Wine Blog Hunter elegeu alguns rótulos que também foram destaques na feira. Um deles foi o “Amaral” Sauvignon Blanc 2016, da vinícola Mont Gras (Chile) que estava na Expovinis, celebrando seus 25 anos.

O Chile, que vem liderando o ranking de vinhos importados no Brasil, apresentou na Expovinis muitas novidades, dentre elas a vinícola estreante “Dona Javiera”, produtora dos únicos vinhos chilenos bebidos no Palácio de Buckingham e no Parlamento Britânico.

Os vinhos da Eslovênia também marcaram presença na feira, apresentando seus vinhos frescos, leves e frutados, em cuja elaboração entram cepas brancas como a Furmint, a Pinot Blanc e a Pinot Grigio, e tintas como a Blaufränkisch.

IMG_6201-2
Feira organizada pela “Informa Exhibition” e com a assessoria da “CH2A Comunicação”, a Expovinis Brasil 2017 foi, sem dúvida, um importante marco na fomentação do setor vinícola, na promoção de grandes negócios e na divulgação das novidades do mercado do mundo do vinho.

Maria Uzêda.

 

 

 

 

Read Full Post »

Às vésperas da semana dos namorados, São Paulo é brindada com uma maratona de eventos de vinhos, permitindo a profissionais e enófilos de plantão conhecer uma diversidade de novos rótulos e abastecer a adega de bons vinhos.

DEGUSTAÇÃO DE VINHOS

EXPOVINIS BRASIL

De 06 a 08 de junho acontece a Expovinis Brasil, maior feira de vinhos da América Latina, no pavilhão branco do Expo Center Norte em São Paulo.

Entre as empresas participantes estão vinícolas do Brasil reunidas pelo Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin) – Casa Venturini, Peterlongo, Rasip/RAR, Don Guerino, Vinícola Batalha, Vinícola Aracuri, Capoani, Zanella, Don Candido, Cavalleri, Sanjo, Lucano, Campos de Cima, Marco Luigi e Dom Pedrito – além de Pericó e Laurentia, que participam com espaços próprios.

Também já confirmaram presença produtores de Portugal (AEP), Chile (Wines of Chile), Itália (Câmara do Comércio Ítalo-Basileira), Eslovênia, Reino Unido, Argentina e Espanha, e as importadoras Premium, Casa Flora, Adega Alentejana, Bodegas Selecionadores de Vinhos, Vino Italia, Vinissimo e Galeria dos Vinhos.

Além da área de exposição, a ExpoVinis contará com um wine lounge onde serão ministrados conteúdos relevantes e de interesse do público visitante que poderá participar gratuitamente. O evento contará também com o Wine Bar ExpoVinis, espaço onde o público poderá adquirir vinhos em taças para degustações mais completas.

Para participar da feira é necessário adquirir convite que, para profissionais, deve ser feito antecipadamente, e para consumidores, na entrada do evento.

Os valores são:

– Profissionais do setor: R$ 30,00;

– Consumidor final: R$ 150,00.

Todos os visitantes pagantes terão direito a uma taça para degustação e 10% de desconto nas compras realizadas na Loja ExpoVinis.

Mais informações: www.expovinis.com.br

GRAND TASTING

Outro evento imperdível é o Grand Tasting, maior feira de vinhos realizada pela Grand Cru, que além de oferecer degustações de inúmeros rótulos trazidos pela importadora, promove palestras e degustações guiadas.

Dentre as vinícolas confirmadas: Cave Geisse, Errazuriz, Leyda, Grandes Viños de San Pedro*, Koyle, Zorzal, Escorihuela Gascón, Pulenta Estate, Cobos, Bottega, Brancaia, Fanti, San Marzano, Mazzei, Talenti, Vila Medoro, Ixsir, Morande Adventure, Barone Montalto, Soprassasso, Ricossa, Matetic, Heras Cordon, Bodegas Pablo e Saint Clair.

Além de poder conhecer cada uma dessas vinícolas e seus vinhos, o evento contará ainda com 15 estações temáticas, divididas nas seguintes categorias:

Champagne Billecart Salmon, espumantes, brancos leves, brancos estruturados, rosés pelo mundo, novidades do novo mundo, novidades do velho mundo, Pinot Noir pelo mundo, península Ibérica (com destaque para o Alentejo, Ribatejo, Toro, Alicante e Priorat), terroirs da França (com destaque para os vinhos do Languedoc, Loire e Bordeaux), super pontuados, vinhos de autor, Douro x Duero, vinhos do Porto e vinhos de sobremesa.

No dia do evento, as garrafas serão vendidas com 10% de desconto.

-SP | 06/06 – 15:00 às 21:00 (exclusivo para clientes on/off trade)

Local: Casa da Fazenda do Morumbi

Endereço: Av. Morumbi, 5594 – Morumbi, São Paulo – SP

-SP | 07/06 – 19:00 às 22:00 (consumidor final)

Local: Casa da Fazenda do Morumbi

Endereço: Av. Morumbi, 5594 – Morumbi, São Paulo – SP

Investimento: R$ 280, sendo 50% revertido para a compra de vinhos nas compras acima de R$1.000.

Mais informações: www.grandcru.com.br

SÃO PAULO WINE WEEK

Entre os dias 5 e 11 de junho acontece a 1ª São Paulo Wine Week, uma semana dedicada ao vinho em alguns dos mais renomados restaurantes da capital paulista.

O objetivo é fomentar o conhecimento e o consumo de tintos, brancos, rosés e espumantes através da experiência com vinhos do Brasil, Chile, Argentina, Uruguai, África do Sul, França, Itália e Portugal.

Os restaurantes participantes vão oferecer três taças de vinhos a um preço único e menor do que aquele praticado fora da SPWW. A ideia é que as casas montem um flight de vinhos de diferentes estilos, começando com um perfil aperitivo, mais leve e aumentando em intensidade e complexidade.

A faixa de preços para cada “trio” de vinhos vai variar entre R$ 45,00 e R$ 60,00. A ação será focada nos jantares de segunda a sexta-feira (5 a 9 de junho) e almoços e jantares no sábado e domingo (10 e 11 de junho).

A lista completa dos restaurantes participantes da SPWW pode ser conferida em: www.spww.com.br.

 PORTO E DOURO WINE TASTING

A quarta edição do evento chega à cidade de São Paulo com mais de 400 rótulos para degustação e 64 produtores portugueses. O evento acontece de 9 a 11 de junho no Shopping JK em São Paulo e, além de promover as degustações, permitirá ao consumidor participar de workshops com harmonizações e palestras temáticas ministradas por grandes profissionais do meio, como Dirceu Vianna Júnior, Jorge Lucky e Luís Lopes.

As atividades principais têm inscrições pagas e acontecerão em dois espaços: no Mercado de Vinhos e nas Salas de Provas, Cursos e Harmonizações. Na Área de Convivência, com entrada franca, e cercada por um ambiente charmoso e descontraído, o visitante terá a oportunidade de comprar os vinhos que provou no evento.

Mais informações: https://oglobo.globo.com/projetos/vinhosdeportugal/sp.html#agenda

cantina vinícola Geisse Chardonnay

Aproveite esta oportunidade única para degustar, aprender mais sobre vinhos, fazer boas compras, reunir amigos enófilos e brindar à vida.

Cristina Almeida Prado.

Read Full Post »

Quando falamos em Chile e seus grandes vinhos, Errazuriz é certamente um nome para ser lembrado. Em viagem a esse país, tive a oportunidade de conhecer a vinícola, que tem uma sede grandiosa e moderna, e aprender um pouco mais sobre seus vinhos e sua história.

DSC_5521

A história da vinícola teve início em 1870 quando a família de origem basca Errazuriz, fundadora da primeira companhia de iluminação no Chile e de grande influência nesse país, decidiu diversificar seus negócios e iniciou a produção de vinhos. Dom Maximiano Errazuriz, seu fundador, foi um grande visionário, quando na contramão das demais vinícolas que se expandiam no entorno de Santiago, decidiu ir mais adiante, a 100km ao norte da capital, onde encontrou um terroir excepcional no Vale do Aconcágua e na mesma década lançou seu primeiro vinho.

DSC_5503

Com 300 hectares de terras plantadas, a vinícola Errazuriz ganhou importante relevância no desenvolvimento da região onde se iniciou um pequeno povoado chamado de Vila Errazuriz, com uma igreja, uma escola e casas para os trabalhadores.

Quase 60 anos depois, no entanto, o Chile vivenciou um turbulento período em sua história, com uma série de reformas políticas, entre elas, medidas que visavam o controle do consumo de álcool no país, que comprometeram a produção e a evolução tecnológica da vinícola. Somente em 1975 o país retomou o livre comércio, abrindo portas não apenas para uma nova etapa de modernização da produção, mas especialmente para o ganho de visibilidade dos vinhos chilenos mundo a fora.

Em 1983 um importante personagem surgia na história da vinícola. Eduardo Chadwick, filho de Dom Alfonso Errazuriz Chadwick, quinta geração da família, aprimorou seus conhecimentos com estudos em Bordeaux, tomou a frente dos negócios da família e investiu em tecnologia e na produção de vinhos de nível mundial. Chadwick foi responsável pela criação da primeira joint-venture na história do vinho chileno, associando-se a Robert Mondavi, da vinícola Mondavi nos Estados Unidos, para criação de um vinho de excelência: o Seña.

DSC_5511

De produção biodinâmica, o Seña teve sua primeira safra em 1995 e se tornou um vinho ícone da casa. É produzido a partir de 5 castas: Cabernet Sauvignon, Carmenère, Petit Verdot, Merlot e Cabertnet Franc e vem ganhando altas pontuações e inúmeras premiações em avaliações mundiais desde seu lançamento.

Outros vinhos ícones da Errazuriz são o Dom Maximiano, assinatura da casa, produzido a partir das uvas Caberbet Sauvignon (75%), Carmenère, Petit Verdot e Malbec e o KAI, que significa planta em língua indígena, é 100% Carmenère, uva símbolo chilena, que precisa de muito sol para obter sua melhor expressão e que encontra no Aconcágua as condições ideais.

Não poderíamos falar da Errazuriz, sem mencionar a uva Syrah, pois a vinícola foi pioneira na produção de vinhos desta cepa no Chile e apresenta um belo exemplar no vale do Aconcágua, com uma proposta de ser um vinho mais frutado e mais fácil, sob o rótulo La Cumbre.

A Errazuriz, que celebra este ano 147 anos de existência, tornou-se a oitava maior vinícola em produção no Chile, produzindo 16 milhões de garrafas anualmente e a terceira em faturamento. Para seus vinhos ícones, há todo um tratamento especial que ajuda a garantir um elevado padrão de qualidade. A produção acontece por gravidade, processo que inicia no alto da cantina, de cima para baixo, com o intuito de causar menos stress nos cachos. Além disso, não fazem batonage para não pressionar muito as uvas e não pegar o sabor amargo das sementes e fermentam a frio para obter os melhores sabores, coloração e aromas. Não é à toa que seus vinhos são ricos e cheios de complexidade, proporcionando aos enófilos do mundo todo uma experiência deliciosa.

Alguns dos vinhos degustados na visita à sede:

DSC_5536

Max Reserva Errazuriz Chardonnay 2014

Apresenta aromas de frutas tropicais maduras. Em boca, bom corpo, sabores delicados de abacaxi, frescor e certa untuosidade. Usam bem pouca barrica para manter a característica da fruta. Muito bem produzido.

Aconcagua Costa Syrah 2014

Aromas de frutas negras e vermelhas maduras, lembrando cerejas e framboesas com notas de especiarias. Em boca, corpo médio e boa acidez, muita fruta e certa mineralidade. Muito bom!

KAI Carmenère 2013

Aromas de frutas negras e vermelhas com notas vegetais delicadas e tabaco. Em boca, apresenta bom corpo, taninos aveludados, sabores intensos de frutas negras e vermelhas, acidez média. 14,5% álcool. Excelente exemplar da Carmenère!

Errazuriz Dom Maximiano 2013

Excelente complexidade no nariz, lembrando frutas vermelhas, como cerejas, framboesa e cassis, com notas de tabaco e especiarias. Em boca, apresenta bom corpo e acidez, taninos marcantes. Está um pouco jovem ainda, mas evoluirá muito bem. É uma pérola que vale ter na adega para uma ocasião especial.

Para quem deseja visitar a vinícola, basta acessar o site, escolher o modelo de visita e degustação desejado e confirmar a reserva. Para quem planeja passar pela região, é certamente um passeio que não pode ficar de fora.

Um brinde,

Cristina Xavier.

 

 

 

 

Read Full Post »

woc-logo A sexta edição da Wines of Chile aconteceu há alguns dias com registro recorde de público. O evento teve o total apoio do ProChile, escritório do governo chileno no Brasil para promoção e exportação dos produtos chilenos, e a valorosa assessoria da CH2A Comunicação. A Wines of Chile reuniu trinta e quatro produtores no salão de eventos do Hotel Unique e exibiu uma amostra exemplar do quanto o Chile é capaz em matéria de vinhos.

Graças a uma diversidade incrível de terroirs, às distintas regiões com influências costeiras, andinas e, inclusive, desérticas (Atacama), sem falar das inúmeras variedades de uvas que respondem bem às perfeitas condições climáticas de norte a sul, o Chile vem mostrando a força da sua marca, liderando em produção, exportação e qualidade o mercado de vinhos do Novo Mundo.

Foram muitos os destaques desse evento. Veja a seguir:

foto 2-3Alguns Pinots Noirs estrelaram nesta noite como por exemplo o “Ocio 2013” da Vinha Cono Sur, o “Leyda Lot 2013” e o “Leyda Single Vineyard Las Brisas 2013” da Vinha Leyda, e o “1865 Single Vineyard 2014” da Vinha San Pedro.

A Vinha Errazuriz se destacou com o “Max Reserva Cabernet Sauvignon 2011” e “Aconcagua Costa Syrah 2012”.

A Vinha Casa Silva trouxe um Carmenère fabuloso: “Casa Silva Microterroir de los Lingues 2009”.

A Vinha Morandé inovou com um interessante corte de Petit Verdot 50% e Petit Syrah 50%.

A Vinha Montes exibiu seu vinho ultrapremium, o “Montes Alpha M 2011” (estilo clássico Bordeaux) e o “Purple Angel 2012”, um vinho com base Carmenère.

foto 3-4A Emiliana Organic Vineyards apresentou um excelente branco de inusitado corte: “Signos de Origen Blanco 2014” (63% Chardonnay,14% Viognier, 12% Marsane, 11% Roussanne).

A Vinha El Principal deu destaque aos seus ótimos blends “Memórias 2012” e “El Principal 2011”.

A Vinha Carmem trouxe o seu maravilhoso “Carmem Gold Reserve 2010”, o vinho Premium ícone da empresa.

O Tasting Wines of Chile em São Paulo foi uma grata oportunidade para todo o público presente que teve a chance de experimentar, mesmo que por algumas horas, um pedacinho do paraíso vinícola chileno.

Maria Uzêda

Read Full Post »

Seguindo o roteiro de visita no Vale do Aconcágua, fui em direção à Flaherty, mais uma vinícola integrante da MOVI Chile (movimento dos pequenos vinhateiros do Chile). Essa vinícola, ainda jovem e pequena, não era de fácil localização. Sem nenhuma sinalização na estrada, nem identificação na fachada, rodei um tempo até encontrar sua sede. Mas esse detalhe não era à toa: a Flaherty não é aberta ao público e sua proposta é personalizar o atendimento a seus poucos visitantes, que necessitam agendar previamente a visita.

DSC_5485

A história da Flaherty começa com Eduardo Flaherty, enólogo americano formado na universidade de Davis, na Califórnia que, com sua esposa Jenny, veio ao Chile para trabalhar em uma colheita na Concha y Toro. A paixão pelo Chile e pelo trabalho com as vinhas foi tão forte, que acabaram criando raízes. Ed teve seu primeiro cargo como enólogo na vinícola Cono Sur. Algum tempo mais tarde, trabalhou na gigante Errazuriz onde permaneceu por 8 anos e logo em seguida, mais 8 anos na Tarapacá.

Com toda a bagagem adquirida, Ed passou a trabalhar como consultor de vinhos para diversas vinícolas da região e em 2002, com o apoio de sua esposa Jenny, começou a produzir seus próprios vinhos.

A Flaherty é uma vinícola boutique que produz vinhos elegantes e cheios de personalidade. Em 2014 sua produção foi de 20.000 garrafas e pretende chegar em até 60.000 em 5 anos. A proposta é continuar com uma produção pequena para manter o estilo de seus vinhos.

Após um passeio pelas instalações da vinícola, guiada pela Jenny, fizemos uma degustação, que incluiu seu vinho Aconcágua 2014 que não estava nem no mercado na ocasião. Em seguida, desfrutamos de um delicioso almoço preparado pela própria Jenny: uma salada ceasar com frango e croutons e, de sobremesa, um sorvete de banana com brownie.

Flaherty 2013, Aconcágua

60% Syrah, 25% Cabernet Sauvignon, 5% Petit Syrah, Tempranillo e Malbec

18 meses em carvalho

De coloração violácea, apresentou aromas de ameixa e cerejas negras notas tostadas. Em boca, muita fruta, boa acidez e taninos aveludados. Muito bom!

Flaherty 2013, Calquenes

Syrah

18 meses em carvalho

De coloração violácea, apresentou aromas de frutas negras com notas de mentol e eucaliptos. Em boca, muita fruta, boa acidez e taninos marcantes. Está excelente!

Flaherty 2014, Aconcágua

Syrah, Cabernet Sauvignon, Petit Syrah, Tempranillo e Malbec

18 meses em carvalho

De coloração violácea, apresentou aromas de ameixa, cerejas negras, pimenta preta com notas tostadas. Em boca, muita fruta, boa acidez e taninos marcantes. Uma delícia!

A visita a Flaherty foi especial, assim como são seus vinhos.

Para quem desejar conhecer, seus vinhos podem ser encontrados nas principais lojas especializadas de Santiago, algumas lojas no Brasil ou agendando uma visita.

Mais informações: www.flahertywines.com

Um brinde!

Cristina A. Prado.

 

 

Read Full Post »

Há alguns meses participei de uma degustação organizada pela MOVI Chile (movimento dos pequenos vinhateiros do Chile) que tinha como proposta apresentar à imprensa vinhos de algumas vinícolas boutique. Fiquei realmente surpreendida com a qualidade dos vinhos e decidi incluir algumas das vinícolas em meu roteiro ao Chile.

IMG_5677

A primeira visita foi a Von Siebenthal, onde fui recebida pelo Mateo. Toda a história da vinícola começa com um personagem chamado Irineu, um artista suíço que se apaixonou por uma chilena e decidiu construir sua vida neste país de belíssimas riquezas naturais. Um dia, compartilhou com um amigo suíço algumas fotos e histórias deste país. E foi assim que, em 1998 o advogado Mauro deixou seu país com seu filho Mateo e chegou ao Chile com uma bagagem cheia de sonhos.

Localizada no vale do Aconcágua, a Von Siebenthal tem hoje 32 hectares de vinhas e produz seus vinhos a partir das uvas tintas Cabernet Sauvignon, Merlot, Carmenère, Cabernet Franc, Syrah e Petit Verdot, e Viogner para seu único vinho branco.

DSC_5470

Aos pés dos Andes, o vale do Aconcágua está localizado a cerca de 80 km para o norte de Santiago. É uma região com grande oscilação de temperatura entre o dia e a noite, muito vento e pouca chuva ao longo do ano, o que permite um amadurecimento adequado das uvas e ajuda a prevenir o desenvolvimento de fungos.

O vinho símbolo da vinícola, de maior reconhecimento e expressão é o Parcela #7, com produção anual de 100 mil garrafas. Já seu vinho ícone é o Toknar, com 24 meses em barricas de carvalho francês e americano e estrutura para ser guardado por até 25 anos. Mas a novidade da vinícola é o Viogner, que passa de 12 a 14 meses em barrica e que, conforme ressaltou Mateo, tem estrutura suficiente para harmonizar com carne vermelha.

DSC_5478

Os vinhos da Von Siebenthal estão focados principalmente no mercado exterior, sendo exportados para mais de 30 países. O Brasil é o seu segundo maior mercado, logo após a China, mas seus vinhos podem ser encontrados também nos principais restaurantes de Santiago.

Ao final da visita, Mateo apresentou o Parcela #7 e o Carabantes Syrah:

Parcela #7 2012

Carbernet Sauvignon, Petit Verdot, Cabernet Franc e Merlot

14 meses em barris de carvalho

De coloração rubi, apresentou aromas de frutas negras maduras, como groselhas, e notas de pimenta preta. Em boca, acidez elevada, taninos elegantes e muita fruta.

Carabantes 2012

Syrah

18 meses em barris de carvalho

De coloração violácea, apresentou aromas explosivos de frutas negras maduras, como cassis e ameixa, com notas de mentol e chocolate. Em boca, corpo cheio, média acidez e taninos macios.

DSC_5480

Para quem deseja conhecer a vinícola, é necessário agendamento prévio que pode ser feito por e-mail ou telefone.

Von Siebenthal:

E-mail: latorre.soledad@gmail.com

Telefone: +56 9 9459 6173

Um brinde!

Cristina A. Prado.

Read Full Post »

Em recente viagem ao Chile, tive a oportunidade de conhecer os vales de Casablanca e Aconcágua, no entorno de Santiago, e visitar algumas de suas vinícolas. A primeira visita foi à Emiliana, que está há 50 minutos de carro de Santiago, sentido Valparaíso.

DSC_5346

Quem me recebeu foi a Angélica, guia de visitas, e o Josué, hospitality manager, que, super atenciosos, compartilharam um pouco sobre a história e filosofia da vinícola e me apresentaram alguns de seus vinhos.

DSC_5335

Com cerca de 20 anos de história, a Emiliana é hoje a maior vinícola orgânica do mundo e cultiva suas uvas nas principais regiões vinícolas do Chile. Como filosofia, diz-se que um vinhedo orgânico é um organismo vivo autossustentável: um sistema fechado que se mantém saudável com o uso da própria fauna, flora e minerais em seu favor. Não utiliza pesticidas ou qualquer produto químico em suas vinhas, mas produz uma série de ervas e grãos que são utilizados em compostos que ajudam a fortalecer e proteger os vinhedos de pragas.

DSC_5353

Além disso, a presença de animais, como galinhas, que ajudam a comer larvas e insetos, joaninhas criadas localmente, que se alimentam de pulgões e pequenos insetos, lhamas, que na época adequada são soltas pelos vinhedos para ajudar na redução das folhagens das vinhas e abelhas, que ajudam na polinização da flora da região, ajudando a manter o ecossistema saudável.

DSC_5355Já o biodinamismo, filosofia também seguida pela Emiliana em alguns de seus vinhedos, acredita num equilíbrio energético entre todos seus elementos, considerando a posição dos astros como direcionadores do calendário do vinhedo. Este calendário é desenhado por um engenheiro agrônomo junto a um astrônomo. Diz-se que a posição dos astros influencia na energia da natureza e existem alguns momentos energéticos específicos que irão definir o melhor momento para fertilização de solo e vinhedo, poda e colheita, por exemplo.

Além de todo o cuidado com a natureza, a Emiliana acredita ser fundamental manter a paixão de seus colaboradores pelo trabalho para que isso se reflita na qualidade de seus vinhos. Oferece uma série de benefícios para os trabalhadores e seus familiares, como assistência médica e a possibilidade do uso das terras para produção de verduras e frutas.

A Emiliana produz seus vinhos brancos a partir das uvas Chardonnay, Viogner, Marsanne, Roussane e Sauvignon Blanc, enquanto para as tintas, Merlot, Pinot Noir, Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc, Mouvèdre e Syrah.

DSC_5341

No vale de Casablanca, que é uma região fria mesmo no verão, o clima é adequado para a produção de excelentes brancos, pois permite às uvas mais tempo para amadurecer e desenvolver seus aromas e sabores. A Pinot Noir é também uma uva que se adaptou muito bem à região.

Os vinhos degustados nesta visita foram:

Novas Viogner 2013, Casablanca

De coloração amarela com reflexos dourados, apresenta aromas de flores brancas com notas de damasco e pêssego maduro. Em boca, corpo e acidez médios. Boa untuosidade. Muito bom!

Adobe Gewurztraminer 2015, Rapel

De coloração amarelo palha, apresenta aromas intensos de lichia, flores e frutas brancas maduras. Em boca, a sensação se repete. É um exemplar bem típico da Gewurztraminer.

Novas Carmenère, Cabernet Sauvignon 2013, Cochagua

93 Pontos por James Suckling

Coloração rubi intensa, apresenta aromas de frutas vermelhas e negras maduras. Em boca, apresenta boa estrutura, acidez, taninos macios e muita fruta com um discreto toque vegetal. Está delicioso!

Coyam 2012, Colchagua

Syrah, Carmenère, Merlot, Cabernet Sauvignon, Malbec e Mouvèdre

Coloração rubi intensa, apresenta aromas de ameixa, groselha e amoras negras. Em boca, bom corpo e acidez, com taninos marcantes. Vinho ícone da casa, passou 13 meses em carvalho 80% francês e 20% americano. Pode ser guardado por até 15 anos. Excelente vinho!

Gê 2012, Colchagua

Carmenère, Syrah, Cabernet Sauvignon

Coloração rubi intensa, apresenta aromas de frutas negras maduras, como ameixa e amora, com notas de chocolate e pimenta preta. Em boca, bom corpo e acidez, com taninos marcantes. Vinho ícone da casa, produzido a partir de vinhas velhas, com 16 meses de passagem em carvalho francês. Pode ser guardado por até 20 anos. Excelente vinho!

DSC_5360

Conhecer mais de perto o admirável trabalho realizado por esta vinícola foi, certamente, uma experiência e tanto, e reforça todo o romantismo e misticismo que há por trás de cada garrafa de vinho que abrimos, nos surpreendendo e nos enchendo de prazer.

A Emiliana recebe visitas diariamente em sua sede no vale da Casablanca, com agendamento prévio. Se estiver pela região, recomendo o passeio.

Emiliana Vinhos Orgânicos

Site: www.emiliana.cl

No Brasil, você pode encontrar os vinhos da Emiliana nos sites www.vinomundi.com.br e www.worldwine.com.br

Um brinde!

Cristina A. Prado

Read Full Post »

Older Posts »