Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Histórias de Vinho’ Category

A paixão por vinhos nos leva, muitas vezes, a destinos surpreendentes. Assim foi minha passagem pelo Oregon, em recente viagem aos EUA.

oregon-wineries-vinho-vineyards

Localizado entre dois grandes estados produtores de vinho, Califórnia ao Sul e Washington ao Norte, o estado do Oregon é o segundo maior produtor de vinhos do país e é um destino pouco explorado pelos enófilos.

oregon-wineries-vinho-enoturismo

A mais destacada região é a de Willamette Valley onde as condições de clima e solo são altamente favoráveis ao plantio da Pinot Noir, cepa responsável pelos melhores vinhos do Oregon. Willamette Valley possui a maior concentração de vinícolas e vinhedos do estado e inclui seis sub-regiões: Dundee Hills, Yamhill-Carlton, Ribbon Ridge, MacMinnville, Chehalem Mountains e Eola-Amity Hills.

oregon-wineries-vinho-sommeliereA história da viticultura do Oregon começou a ser escrita por pioneiros vinhateiros que, seguindo práticas tradicionais da Borgonha e utilizando técnicas e clones europeus, descobriram que a região era soberba para o cultivo da Pinot Noir. Na década de 70, o vinho “South Block” Pinot Noir 1975, produzido por David Lett, da Eyrie Vineyards, foi parar nos noticiários, quando, numa degustação às cegas na França em 1979, ficou entre os dez finalistas do concurso. Recentemente, em 2016, a região recebeu a maior honra concedida pela renomada revista “Wine Enthusiast” tendo sido nomeada a “Wine Region of the Year”.

Um dos motivos que diferenciam o Oregon de outros estados é o fato de que muitas de suas vinícolas são empresas familiares, predominantemente rurais e surpreendentemente pequenas, mas com grandes ideias. O que aliás, explica o slogan adotado por eles que diz: “Small is Beautiful”.

Hoje, novas gerações de viticultores e empreendedores estão forjando novos caminhos na indústria vinícola local, sem abdicar das tradições de seus antecessores, dando continuidade ao espírito daqueles pioneiros.

oregon-wineries-vinho-enoturismo2Dirigindo pelas estradas rurais da região de Willamette, o turista deve se guiar pelas placas azuis para encontrar seu destino. Elas sinalizam a direção para as vinícolas que geralmente são acessadas por estradas vicinais. São inúmeras as razões para se explorar o coração dessa região: centenas de vinícolas dispostas a oferecer experiência única aos visitantes (algumas requerem agendamento), belíssimas paisagens, inúmeras salas de degustação espalhadas pelas pequenas cidades do entorno (Dundee, McMinnville, Newberg, Carlton, Amity, Dayton, Sheridan, etc), refinados restaurantes (“SubTerra”,por exemplo, em Newberg), charmosos Bed and Breakfast, sem falar no museu “Evergreen Aviation and Space”, que abriga o maior avião da história da aviação, o “Spruce Goose”, construído pelo milionário Howard Hughes e merece ser visitado. É também interessante informar que, no Oregon, não há taxa de imposto sobre os produtos comprados.

Para os amigos amantes do vinho, fica então aqui a minha sugestão de viagem. Inclua o Oregon em seus planos e deixe-se levar por seus instintos numa prazerosa e inesquecível “eno-aventura” que só o vinho é capaz de proporcionar. No próximo post, falarei sobre as vinícolas que visitei no Oregon. Não percam!

Maria Uzêda.

Read Full Post »

DSC_6600Si a Mendoza vino y no tomó vino, a que vino?

Em visita à vinícola Dominio Del Plata, de Susana Balbo, fui recebida pelo Juan, sommelier muito atencioso e que proporcionou uma visita bastante enriquecedora. Susana Balbo é uma marca forte, inclusive no Brasil, mais famosa por seu vinho base Crios, mas que produz também vinhos de pequeno volume, muito especiais, como Ben Marco e Nosotros.

Nascida em uma família tradicional e contrariando as convenções sociais da época, Susana decidiu se profissionalizar na atividade vitivinícola, tornando-se a primeira mulher enóloga da Argentina. Trabalhou em grandes vinícolas como Catena e Michel Torino até que em 1999 comprou uma fazenda e logo começou a elaboração de seus próprios vinhos, na época, com tanques e barricas emprestados. Hoje, o Dominio Del Plata é formado por Susana e seus sócios argentinos, com vinhedos próprios e associados, e produz cerca de 2 milhões de litros por ano.

No Dominio Del Plata, todo o trabalho é manual. Os cachos são cuidadosamente selecionados, depois são recebidos pelo alto para que a fermentação ocorra por gravidade, mantendo os cachos e suas uvas inteiros para um ótimo desenvolvimento de aromas e sabores durante esse processo. Os vinhos tintos não são filtrados, para preservar ao máximo sua cor e aromas e somente os brancos, rosés e alguns tintos são clarificados.

DSC_6590

Os vinhos da linha Crios fermentam e já seguem para engarrafar. Os demais, passam por maturação em barris de carvalho, de acordo com a intenção do produtor para cada marca.

Juan contou que a casta Torrontés, branca aromática autóctone da Argentina é um cruzamento das castas Criolla com Moscato de Alexandria. Por suas características únicas, foi encarada por Susana desde o início como uma casta de qualidade. Amadurece em barris de carvalho e resulta num vinho de destaque da casa. Juan brinca que a Torrontés é uma uva mentirosa, pois os vinhos produzidos a partir dessa casta no nariz indicam doçura, mas na boca, são secos.

Depois de mais de 10 anos de crescimento nos mercados internacionais, os filhos de Susana (José, enólogo e Ana, administradora) passaram a integrar a equipe de Susana Balbo, dando continuação à tradição familiar.

Alguns dos vinhos degustados na visita foram:

Susana Balbo Torrontés 2013, Valle de Uco

3 meses em barris de carvalho

De coloração amarelo limão, apresenta aromas de baunilha, mel, com notas cítricas e folrais. Em boca, é um vinho de corpo leve, com boa acidez, bem integrado e não é cansativo. Harmonização sugerida pelo sommelier: salada verde, sushi ou comida picante indiana ou tailandesa.

Susana Balbo Malbec 2013, Valle de Uco

13 meses em barris de carvalho

De coloração vermelho púrpura, apresenta aromas de ameixa, amora preta, cassis e notas de pimenta preta. Em boca, frutas negras maduras, chocolate e menta, com taninos marcantes e bem integrados e boa acidez. Sugestão de harmonização: carnes vermelhas, porco ou uma massa bolonhesa.

DSC_6605

Ben Marco Expressivo 2013, Valle de Uco

(75% Malbec, 20% Cabernet Franc e 5% Cabernet Sauvignon)

13 meses em barris de carvalho

De coloração vermelho púrpura, apresenta aromas de amora madura, cassis, violeta e notas minerais. Em boca, frutas negras maduras, com taninos firmes e fino e boa acidez. Harmonização sugerida: carnes vermelhas, porco e queijos duros.

Susana Balbo Malbec Late Harvest 2010, Agrelo

18 meses em barris de carvalho

De coloração rubi com reflexos violáceos, apresenta aromas de uva passa, compota de frutas negras, especiarias como cravo e canela, com delicada doçura em boca, bom corpo e acidez. Um vinho muito diferente que vale a experiência! Harmonização sugerida com tortas de frutas vermelhas, chocolate ou queijo azul.

A quem desejar visitar, uma reserva prévia se faz necessária e pode ser feita por e-mail ou telefone nos contatos: turismo@sbwines.com.ar, osadia@sbwines.com.ar, +54 261 4989231, +54 9 261 156626754.

Um brinde!

Cristina A. Prado

Read Full Post »

A história da vinícola Catena Zapata tem início em 1898 com a chegada do italiano Nicola Catena à Argentina, em busca de oportunidades no mundo novo. Nicola plantou seu primeiro vinhedo de Malbec, uma casta então utilizada em algumas regiões na França, em 1902, acreditando no potencial dessa casta na região de Mendoza, um palpite que só veio se concretizar plenamente quase um século depois.

VINHEDOS_CATENA_ZAPATA

Foi Domingo, o filho mais velho de Nicola, que levou adiante o sonho de seu pai, estabelecendo a marca Catena como um dos maiores produtores de vinhos em Mendoza. Na época, produzia-se o famoso vinho de garrafão direcionado totalmente para o mercado interno. Em 1960, no entanto, a economia argentina quebrou e a família Catena sofreu para se manter.

Um novo capítulo da Catena começou a ser desenhado em 1980 com Nicolás Catena, filho de Domingo, que teve a oportunidade de estudar em Berkeley, na Califórnia, e junto com sua esposa conheceu os vinhos da única região no novo mundo que começavam a fazer frente aos melhores vinhos franceses – o vale de Napa. Quando retornou à Argentina com uma nova visão, vendeu sua vinícola produtora de vinho de mesa, mantendo apenas a vinícola que produzia vinhos finos, e tornou-se a primeira vinícola a exportar vinhos argentinos.

CATENA_ZAPATA_BODEGA

Em busca dos melhores terroirs na região de Mendoza, Nicolás estava disposto a arriscar, e em 1992 plantou vinhedos em Gualtallary Alto, a 5.000 metros de altitude, indo contra as recomendações de seu enólogo, que acreditava que as uvas não amadureceriam o suficiente. No fim, Nicolás descobriu que as regiões com altitude elevada de Mendoza eram excepcionais para a produção de vinhos equilibrados, elegantes e com deliciosos e aveludados taninos.

Após o falecimento de seu pai, Nicolás trabalhou arduamente para produzir o primeiro Catena Malbec, em 1994, vinho este que estrelou no Wall Street Journal como o Malbec Argentino número 1. Somente dez anos depois a Malbec viria a se tornar uma casta conhecida pelo mundo.

ESTIBA-CATENA-ZAPATA-BARRICA

Hoje, o vinho ícone da casa é o Estiba Reservado, um corte bordalês (Cabernet Sauvignon, Merlot, Cabernet Franc e Petit Verdot) de uvas plantadas a mais de 3.000 metros. O segundo, é o Nicolás Catena, corte de Cabernet Sauvignon e Malbec, lançado em 1997 e o terceiro, o Catena Argentino, um vinho de altitude 100% Malbec com elevada concentração de taninos.

A vinícola Catena produz 4 milhões de litros por ano. Faz parte de uma holding com quem produz em uma estrutura separada o Alamos, excelente custo-benefício e a marca com maior volume da Argentina, com 17 milhões de litros por ano.

Em visita à Catena Zapata, pude experimentar alguns de seus vinhos ícones, sendo que o Estiba 2014 foi provado diretamente da barrica:

Catena Alta Chardonnay 2012

12 meses em barrica francesa

De coloração amarelo dourado, apresenta aromas de frutas cítricas e tropicais como abacaxi e notas de manteiga, caramelo e mel. Em boca, apresenta corpo, acidez e álcool médios e sabores de frutas tropicais com notas minerais.

VINHOS-CATENA-ZAPATA-BODEGAMalbec Argentino 2010

Vinhedos Adrianna e Nicasia, com mais de 100 anos

24 meses em barrica francesa

De coloração púrpura profundo, apresenta aromas intensos de frutas negras maduras como amora, groselha e uva passa e notas de pimenta preta. Em boca, é encorpado, apresenta taninos marcantes, acidez e álcool bem integrados, com muita fruta negra madura.

Nicolás Catena 2011

Vinhedos Adrianna, Nicasia, Domingos e La Pirámide

Cabernet Sauvignon e Malbec, 24 meses de barrica francesa

De coloração vermelho rubi intenso, apresenta aromas de frutas negras como ameixa, com notas de pimenta preta e couro. Em boca, é encorpado e apresenta taninos marcantes, acidez e álcool bem integrados, com fruta negra madura e toques tostados.

A quem deseja fazer uma visita à Catena, o agendamento pode ser feito diretamente pelo site (www.catenawines.com) ou através do e-mail turismo@catenazapata.com. É, certamente, uma experiência e tanto!

Um brinde!

Cristina Almeida Prado.

Read Full Post »

Em viagem a Mendoza pude visitar a Viña Cobos, uma vinícola argentina reconhecida mundialmente pela excelente qualidade de seus vinhos. A Cobos tem como sócio fundador o enólogo Paul Hobbs, personagem que destacou-se no vale de Napa na elaboração dos vinhos da Robert Mondavi e na elaboração do vinho ícone Opus One. Hoje, além de responsável pela Viña Cobos, é proprietário da Paul Hobbs Winery e da Crossban na Califórnia, da Crocus na França e da Yacoubian-Hobbs na Armênia e presta assessoria a mais de 30 vinícolas pelo mundo.

Paul Hobbs chegou a Mendoza em 1988 procurando as regiões mais destacadas dentro de Luján de Cuyo e do Vale de Uco, para a elaboração de vinhos únicos com o conceito de parcela única, ou o micro-terroir.

DSC_6487

Na Viña Cobos as uvas são cuidadosamente controladas e classificadas conforme a parcela onde foram colhidas, possibilitando conhecer e avaliar o potencial de cada vinho, e respeitando o que o vinhedo oferece. O sistema gravitacional da vinícola permite que a fruta seja tratada gentilmente, evitando machucar os grãos de uva e conseguindo uma ótima fermentação. Os vinhos revelam uma boa expressão da fruta e um adequado componente de madeira, conferido por barris de carvalho francês e americano. Os vinhos não passam por clarificação para manter sua complexidade e promover sua textura e persistência final. O estilo de elaboração adotado permite preservar ao máximo o trabalho realizado no vinhedo, resultando em vinhos que são uma autêntica expressão do terroir.

Desde a primeira safra do Cobos Malbec, em 1999, a Viña Cobos conseguiu uma conquista na vitivinicultura, ao posicionar o Malbec e a Argentina ao lado dos melhores produtores mundiais. Seu prestígio é reconhecido tanto pela crítica quanto pelos consumidores ao redor do mundo. A Cobos exporta 70% de seus vinhos, sendo o Brasil o 4o principal mercado.

DSC_6492

Os vinhos degustados durante a visita foram os seguintes:

FELINO CHARDONNAY 2015

De coloração amarelo limão, apresenta grande intensidade no nariz com aromas de frutas brancas como peras, pêssego e abacaxi, além de flores brancas e notas de pão torrado. Em boca, apresenta boa untuosidade, corpo e acidez. Um vinho elegante, aromático, com grande equilíbrio e persistência.

COCODRILO CORTE 2013 (Malbec, Petit Verdot e Cabernet Franc)

De coloração rubi profundo, com notas violáceas, apresenta aromas de frutas negras como cassis e cereja com notas de especiarias como cravo e pimenta, e um toque herbáceo como eucalipto. Em boca, apresenta taninos finos, bom corpo, acidez média e boa persistência.

BRAMARE MALBEC, VALLE DE UCO, 2013

De coloração vermelho púrpura e intensidade profunda, apresenta aromas de cassis, chocolate, pimenta preta e notas terrosas. Em boca, é um vinho encorpado, com taninos marcantes, frutas negras e especiarias e um final longo.

BRAMARE MALBEC, LUJÁN DE CUYO, 2013

De coloração vermelho púrpura e intensidade profunda, apresenta aromas de cassis, chocolate, pimenta preta e notas mentoladas. Em boca, é um vinho encorpado, com taninos marcantes, frutas negras e especiarias e um final longo e grande persistência.

BRAMARE MALBEC, ZINGARETTI VINEYARD, V. UCO, 2013

De coloração vermelho rubi com reflexos púrpura e intensidade profunda, apresenta aromas de frutas negras, floral, chocolate, notas de pimenta e herbáceas. Em boca, é um vinho encorpado, com taninos marcantes, frutas negras e especiarias e um final longo e grande persistência.

BRAMARE MALBEC, MARCHIORI ESTATE, 2013

De coloração vermelho rubi com reflexos púrpura e intensidade profunda, apresenta grande expressão aromática, com frutas vermelhas e negras maduras, notas minerais lembrando grafite, notas de chocolate e tabaco. Em boca, bom corpo, acidez equilibrada, frutas negras maduras, com final longo e persistente.

BRAMARE CABERNET SAUVIGNON, MARCHIORI ESTATE, 2013

De coloração vermelho rubi, apresenta aromas de frutas negras como cassis, com notas de tabaco, pimenta preta, cravo, grafite e chocolate. Em boca, é um vinho encorpado, com taninos marcantes, frutas negras e final longo.

Foi uma visita muito especial e os vinhos degustados certamente ficarão na memória.

Para quem desejar conhecer a Cobos, uma visita pode ser agendada através do site: http://vinacobos.com/pt-br/visitas/

Um brinde!

Cristina Almeida Prado.

Read Full Post »

Viajando pela Califórnia, tinha planos de passar pelas regiões vinícolas de Napa e Sonoma. Já estava ciente dos terríveis incêndios que se espalharam por essas bandas durante as últimas semanas, aterrorizando moradores e vinicultores, entretanto, não fazia ideia da real extensão da tragédia. Testemunhei um cenário dantesco que partiria os corações dos apaixonados por vinho: vinhedos, maquinarias e instalações carbonizados. Felizmente, muitas vinícolas não foram afetadas. O mais curioso foi observar que não foi um incêndio localizado, isto é, houve vários focos esparsos de incêndio em diversas regiões.

california-wildfires-fire-map-latest-update-4

Como se não bastasse, li num jornal local, o San Francisco Chronicle, que a fumaça que se espalhou pelos vinhedos acarretará sérias alterações nos aromas e sabores das uvas nas próximas safras. Alguns produtores submeteram suas uvas a testes em laboratórios, pesquisando a possível presença de componentes químicos voláteis como o methylguaiacol, por exemplo, que fica na atmosfera e pode afetar as uvas. Segundo afirma, alguns vitivinicultores, muitas uvas já estão sendo rejeitadas.

Impressionaram-me também as mensagens espalhadas pelo caminho onde passava. Eram palavras emocionadas de agradecimento aos bombeiros que lutaram bravamente, deixando impressões de verdadeiros heróis, palavras de fraternidade entre vizinhos, trazendo força e incentivo aos moradores.

IMG_0698

Apesar de tudo, consegui visitar algumas vinícolas, dentre elas, a respeitada Buena Vista Winery. Mas este será tema para um próximo post.

Hoje, fica aqui apenas o registro de minhas tristes impressões de tamanha tragédia ocorrida nas regiões vinícolas da Califórnia.

Maria Uzêda.

Read Full Post »

Para os enófilos de carteirinha, curtir uma sessão de cinema, deliciando-se com passeios por regiões vinícolas, com histórias de vinhos e harmonizações, é uma excelente oportunidade para aprender um pouco mais sobre o mundo do vinho e encontrar inspiração para novas experiências.
Seguem abaixo alguns filmes sugeridos por mim:

IMG_9770 1- O JULGAMENTO DE PARIS _ Baseado em uma história real, o filme retrata os primeiros anos da indústria do vinho na região do Napa Valley nos anos 70, para onde parte o conhecedor e crítico de vinhos Steven Spurrier, interessado nos recentes rumores de que os novos vinhos americanos vinham conquistando um futuro promissor. Após uma temporada percorrendo a região, Spurrier seleciona um rótulo que lhe pareceu de excelente qualidade e leva consigo alguns exemplares para Paris onde ocorreria, em 1976, uma competição internacional. Concorrendo com os mais renomados vinhos franceses, numa degustação às cegas, a premiação de primeiro lugar do vinho californiano Château Montelena acabou colocando a região do Napa no mapa dos melhores produtores de vinho.

IMG_9771 2- SIDEWAYS _ O filme é uma inebriante e picante comédia que conta a história de dois trintões que partem numa viagem que seria a despedida de solteiro de um deles. Durante o trajeto pela Costa Central da Califórnia, os dois fazem diversas degustações de vinhos pelas regiões por que passam: Santa Bárbara, Santa Rosa, San Luis Obispo, vale de Santa Maria. Assim os amigos, comicamente incompatíveis, vão mostrando os altos e baixos da vida, mergulhados em vinhos, mulheres e diversão. É marcante a passagem em que o protagonista (Miles) conversa com sua amiga Maia: ele faz uma soberba descrição da Pinot Noir, sua uva predileta, e ela enaltece o valor e o significado da bebida de Baco.

IMG_9772 3- A FESTA DE BABETE _ A história se passa no século XIX, num pequeno vilarejo da Dinamarca onde duas irmãs muito religiosas dão continuidade ao trabalho de seu falecido pai, um pastor luterano. Tudo começa a mudar com a chegada de uma francesa ao vilarejo. As irmãs acabam acolhendo a mulher que, em troca de abrigo, passa a cozinhar para elas. Doze anos mais tarde, as irmãs decidem prestar uma homenagem ao pai que estaria completando cem anos de vida e a cozinheira, Babete, insiste em oferecer um jantar à francesa. Na noite do jantar, os convidados, veem descortinar a sua frente um inesquecível banquete. Esse é um filme delicado, intenso e memorável em que vinho e comida protagonizam uma história que não cansamos de ver e rever.

IMG_9775 4- UM ANO NA BORGONHA _ O filme é um documentário que conta a história de uma francesa negociante que importa diversos rótulos franceses para os EUA. Num determinado momento, ela decide viajar pela região da Borgonha, para conhecer seus produtores e acompanhar todo o trabalho nos vinhedos e na elaboração dos vinhos. Em sua temporada pela região, procura também entender os diferentes terroirs existentes na Borgonha e suas cepas mais importantes, a Chardonnay e a Pinot Noir. O relato de alguns produtores como Morey-Coffinet e Clos du Vougeot, que falam de sua paixão pelos seus vinhedos e a dedicação com que elaboram seus vinhos, nos emociona profundamente. O filme é uma verdadeira aula sobre uma notável região francesa que acumula muita sabedoria e experiência na arte da vitivinicultura.

IMG_9774 5- UM ANO EM CHAMPAGNE _ Esse belíssimo documentário leva o espectador a uma viagem pela região de Champagne, onde ele pode acompanhar os trabalhos dos viticultores durante um ano no complexo e exclusivo processo de produção do mais famoso vinho borbulhante. É muito interessante acompanhar o relato de vários produtores que falam de seus negócios e da tradição de família que vem sendo passada por várias gerações. O filme expõe, por um lado, todo o drama de apreensão e desafios em que vive o vinicultor durante o ano, e, em contrapartida, revela a magia da celebração final quando se estouram as rolhas. Um irresistível convite a um brinde!

IMG_9773 6- PARIS PODE ESPERAR _ Esse é um filme atual que está no circuito dos cinemas. A história começa em Cannes onde um produtor de cinema (Alec Baldwin) está a trabalho acompanhado de sua esposa Anne (Diane Lane). Sempre atribulado, o cineasta segue para Marrocos e sua esposa acaba aceitando a carona de um francês, sócio do marido, que também ia para Paris. Começa então uma viagem de carro que percorre belas regiões vinícolas como a Provence, o vale do Rhône, a Borgonha e Champagne. Nesse trajeto, os dois vão fazendo diversas paradas, e é aí que o filme exibe todos os deleites imaginários que comprovam que, na França, comida e vinho estão intrinsecamente ligados e fazem parte de uma forte herança cultural e enogastronômica.

A lista de filmes relacionados ao vinho é longa. Para quem gosta, é um prato cheio, pois, para os amigos enófilos, assistir a um bom filme que fale de vinho e comida é como um passeio no céu!

Maria Uzêda

 

 

 

 

 

Read Full Post »

Em viagem à Argentina tive a oportunidade de conhecer algumas vinícolas na região de Mendoza. Dentre elas, a Zuccardi muito me surpreendeu. Logo no primeiro contato para fazer a reserva de visitação, fui questionada se não gostaria de almoçar no restaurante da vinícola. O que a princípio não estava nos planos, acabou sendo uma experiência sensacional que somou-se a uma visita muito especial.

DSC_6481

Com uma vista espetacular dos Andes, a Zuccardi tem sua sede e restaurante localizados em Maipú. O restaurante tem como proposta servir uma comida regional. É um menu fixo, com entrada, diferentes cortes de carne servidos com salada e legumes e sobremesa típica, sendo que para cada um dos pratos, um vinho Zuccardi é servido para harmonizar. Além disso, é possível degustar os excelentes azeites produzidos por eles. Uma verdadeira orgia enogastronômica que vale cada centavo.

Logo na sequência, fui recebida pelo guia Nicolás na bodega, que me contou um pouco da história dessa família e me apresentou alguns dos vinhos assinatura da casa.

DSC_6485

A história da vinícola tem início em 1963 com Tito Zuccardi, engenheiro descendente de italianos que vivia na Argentina. Tito comprou terras na região de Mendoza, desenvolveu um sistema próprio de irrigação, o que foi uma evolução do sistema tradicional e começou a vender o sistema para outros produtores. Sob o nome Uvas del Sol, nasceu a vinícola de Tito focada na produção de vinhos de mesa, produto este que tinha à época uma elevada demanda interna.

Em 1970, Alberto Zuccardi Filho começou a trabalhar com Tito, seu pai, e tornou-se responsável pela ampliação da produção e evolução da qualidade dos vinhos da vinícola, que passou a ser chamada de Santa Julia em homenagem a sua primeira filha. E sim, aqui falamos do Santa Julia que conhecemos dos supermercados. Essa é a linha de entrada da família Zuccardi, produzida numa bodega própria.

Ao longo dos anos, Santa Julia tornou-se muito conhecido e recebeu status de custo-benefício argentino. Alberto Zuccardi logo percebeu o quanto a qualidade de suas uvas vinha evoluindo e o potencial que representavam para seus vinhos. Assim, em 1997 lançou o primeiro Família Zuccardi “Q”, um Tempranillo. O “Q” é adotado para classificar a qualidade superior. Com tamanho sucesso, no ano seguinte foram produzidos Zuccardi “Q” a partir de outras castas, como Chardonnay, Cabernet Sauvignon e Malbec, sendo que este último tornou-se destaque.

DSC_6473

Hoje a Zuccardi possui 1.000 hectares com produção própria nas regiões de Maipú, Santa Rosa e Uco, sendo a terceira maior vinícola da Argentina (atrás de Trapiche e Norton) e a primeira maior familiar. São mais de 32 cepas distintas plantadas e 20 milhões de litros produzidos do Santa Julia por ano, sendo 70% direcionado à exportação para mais de 45 países, sendo o Brasil o terceiro maior importador. Para o Família Zuccardi, que são vinhos mais elaborados, são produzidos 500 mil litros.

As uvas do Santa Julia são colhidas mais cedo com o intuito de obter um vinho com menos álcool, mais frutado e mais fácil de beber, enquanto as uvas do Zuccardi amadurecem por mais tempo, gerando vinhos mais complexos, com mais álcool e mais estrutura. Seus vinhos são segmentados entre as linhas Série A, Zuccardi “Q”, Especialidades e Ícones.

DSC_6479

A Zuccardi vem buscando cada vez mais produzir vinhos de origem, que expressem a característica da uva e do terroir. Praticamente não usa madeira nos vinhos e tem usado os tanques de concreto para preservar ao máximo sabores, aromas e coloração das uvas. Com essa filosofia, sustenta uma excelente reputação, obtendo premiações internacionais e altas pontuações conferidas por renomados críticos do mundo dos vinhos.

Alguns dos vinhos degustados na visita:

DSC_6483

Torrontés Série A 2014, Salta

De coloração amarelo palha, apresenta aromas suaves de lichia, frutas brancas e ervas frescas. Em boca, leve, delicado, ótima acidez, muito equilibrado. Não é cansativo como a maioria dos Torrontés que conhecemos. Vale a experiência!

Aluvional 2012, Paraje Altamira

Malbec de microterroir, é um vinho ícone sem barrica, produzido em solo aluvional com bicarbonato de cálcio e pedras brancas. A videira absorve o bicarnonato que proporciona características únicas à uva. De coloração violeta, apresenta enorme complexidade aromática exibindo frutas negras e notas minerais características do terroir. Em boca, bom corpo e acidez, taninos macios. Está excelente!

Tito Zuccardi 2013, Paraje Altamira

Malbec, Cabernet Sauvignon, Ancellota

Uma homenagem ao avô, Tito Zuccardi. De coloração intensa violácea, apresenta aromas de violeta e frutas negras. Em boca, bom corpo e acidez, muita fruta e taninos marcantes. Excelente!

Zuccardi Concreto 2014, Paraje Altamira

Malbec de solos calcáreos

A fermentação deste vinho, como o próprio nome diz, é feita em concreto com cachos inteiros. De coloração vermelho violáceo, apresenta aromas de frutas negras e notas minerais. Em boca, boa acidez, encorpado e bastante tânico. Muito bom!

DSC_6486

Se você for a Mendoza, a visita à Zuccardi é parada obrigatória. Não deixe de reservar com antecedência uma mesa no restaurante e a visitação na bodega. Para os interessados, a vinícola oferece também programas como piquenique em seus jardins, cursos de degustação de vinho e azeite e aulas de culinária regional.

Saiba mais no site: www.casadelvisitante.com ou www.familiazuccardi.com.

Um brinde e boa viagem!

Cristina Almeida Prado.

Read Full Post »

Older Posts »